O Fantasma do Porão

O FANTASMA DO PORÃO


Em uma noite de muita chuva e muitos trovões,
estavam dormindo dois meninos. Um chamado Marcos e outro chamado André.
Derepente os dois acordam no meio da madrugada e escutam um barulho
muito alto, parecia que vinham do porão, com medo os dois correrão para
avisar os pais: André era o mais medroso, estava bem deseperado..

_ Pai, pai, mãe. Tem um fantasma no porão, vá lá pai matar ele. Estou com medo.

Seu pai responde:

_ Fantasma não existe seu medroso, vá dormir, isto não existe.

Com medo os dois foram para o quarto, mas o barulho continuou…

Passaram-se duas semanas e o barulho ainda
incomodava o sono de Marcos e André, o barulho deixava os dois meninos
com muito medo, eles não se desgrudavam um do outro. Mas algo estranho
aconteceu o pai do menino também ouviu o barulho. Como tinha escutado o
pai ficou muito preoculpado e nervoso. O pai criou coragem e andando
até o porão, e ao descer as escadas o barulho voltou, ele se arrepiou e
quase morre de susto, volta para trás para pegar um pedaço de pau.
Marcos pergunta o que é pai?

_ Nada Marcos! Já com uma arma na mão, tomou um pouco mais de fôlego e resolveu continuar…

Mas para sua surpresa o barulho silênciou deixando
ele muito mais preocupado. Pois ele não sabia definir o que era
realmente. Aquilo deixou, ele muito mais inquieto.

Mas mesmo assim ele continuou a descer as escadas
sempre com muita cautela. Neste instante só se ouvia sua respiração,
que cada vez mais, se tornava mais forte, e ao pegar no trinco da porta
escuta outro barulho, mas, não sabe o que é ainda…

Resolve abrir à porta ele não vê nada de estranho,
mas ele está apreensivo, procura olhar para todos os lados… Derepente
um barulho de uma caixa cair, ele vê um gato, ele respira aliviado e
grita para seus filhos venham até aqui:

_ Sim papai! O que é que tem aí, cadê o fantasma?

_ Olhem!  A nossa gatinha ganhou filhotinhos. André responde:

_ Que legal!

_ Mas que pena que acabou o mistério. Mas pelo menos nós iremos dormir mais tranqüilos agora.

Diz:

_ Marcos, é verdade.

Paulo Marcelo Paulek 04/10/09