A Anemia Perniciosa Causada pela Carência de Vitamina B12 no Público Adulto

A Anemia Perniciosa Causada pela Carência de Vitamina B12 no Público Adulto

*SILVA, Laila Mikaelly Paubel da.

Resumo:

A deficiência da vitamina B12 causa a anemia perniciosa, caracterizada pelo aparecimento de células vermelha maiores e imaturas, também pode resultar em problemas neurológicos, problemas de pele, diarréia e perda de apetite.

Palavras-chave: Anemia, vitamina, deficiência.

__________________________________

*Acadêmica do 3º semestre de Farmácia, da Faculdade de Quatro Marcos- FQM

1. Introdução:

A deficiência da vitamina B12 causa a anemia perniciosa ou megaloblástica, caracterizadas pelo aparecimento de células vermelhas maiores e imaturas, mas em número menor do que o normal. A deficiência da vitamina B12 também pode resultar em problemas neurológicos, problemas de pele, diarréia e perda de apetite. Os níveis corpóreos dessa vitamina fazem com que sintomas de deficiência venham a aparecer apenas após 5 ou 6 anos, no caso do individuo não receber essa vitamina pela alimentação. Somente então acorre o aparecimento da anemia perniciosa e também o desmielinizarão da medula espinhal. O chamado “armazenamento” corpóreo dessa vitamina é sustentada principalmente pelo chamado ciclo êntero-hepático.

2. Desenvolvimento:

A anemia perniciosa foi, durante muito tempo, sob o ponto de vista terapêutico, um dos problemas mais sérios, ate a descoberta de que a administração de fígado de porco ou de boi era eficaz no tratamento dessa afecção.  A partir dessa constatação, procurou-se obter o principio ativo, o “fator extrínseco” naquele órgão, acreditando-se que o acido fólico era a substância responsável, mas a observação clínica demonstrou sua pouca eficácia na melhoria de muitos sintomas de doença.

Em 1948, o isolamento da vitamina B12 do fígado marca um grande passo no tratamento da anemia perniciosa e outros tipos de anemia macrocítica, supondo-se ser a vitamina idêntica ao “fator extrínseco”. Seu emprego por via oral é eficiente graças à presença do “fator intrínseco” existente no suco gástrico normal, indispensável para sua absorção.

A estrutura da vitamina B12 obtida por Hodhkin, em 1964, revelou ser a mesma um composto complexo, nitrogenada, contendo duas maiores partes: o grupo corínico, que contém cobalto e o nucleotídeo ligado. São descritas diversas formas de vitaminas B12 ou cianocobalamina: a vitamina B12 ou hidroxicobalamina; a hidrocobalamina ou vitamina B12 b; a nitritocobalamina ou nitrosocobalamina ou B12 c; A vitamina B12 possui coenzimas denominadas cobalamida ou coenzima B12 e a metilcobalamina ou metil-B12.

A Vitamina B12 constitui fator essencial ao crescimento de diversas espécies animais, achando-se envolvida como uma substância intermediária na formação dos glóbulos sanguíneos, da bainha dos nervos e várias proteínas.

A vitamina B12 é uma substância hidrossolúvel, que forma cristais vermelhos pela presença de cobalto na sua molécula.  Pelo fato de esta vitamina ser destruídas pela luz, ácidos, bases e agentes oxidantes ou redutores, o processamento dos alimentos como cozimento leva a perdas significativas. Os compostos que é biologicamente ativa como vitamina B12 são também conhecidos como corrinóides. A cianocobalamina tem um alto peso molecular, 1.3550,4g/mol.

Metabolismo

A vitamina B12 é absorvida no trato intestinal por mecanismos ativos ou de difusão passiva, dependendo do fator intrínseco, que é uma enzima mucoprotéica, presente na secreção gástrica. A presença de ácidos clorídricos também é necessária para quebrar as ligações peptídicas da vitamina B12. O cálcio é outro fator necessário à absorção. Após o processo de absorção, a vitamina B12 é transportada na corrente sanguínea ligada a proteínas séricas (globulinas e transcobalaminas). O armazenamento tecidual é maior no fígado e em menor quantidade nos rins, sendo liberada quando necessários para a medula óssea e outros tecidos corporais. Havendo uma ingestão exagerada dessa vitamina, ocorre a excreção por via urinária. A síntese bacteriana dessa vitamina é limitada no homem e ocorre através de microorganismo presentes na porção terminal do íleo, sendo, portanto não-absorvida.

Funções

A vitamina B12 exerce várias funções importantes no organismo, atuando como coenzima (metilcobalamina ou 5’-de soxiadenosil-cobalamina) em reações químicas celulares. Ela representa fator essencial para o crescimento de várias espécies animais, achando-se envolvida como uma substância intermediária na formação dos glóbulos sanguíneos, bainha dos nervos e a síntese do ácido nucléico e para a maturação das células epiteliais, principalmente as do trato intestinal.

A vitamina B12 é um fator importante no metabolismo dos ácidos nucléicos, essencial para o funcionamento correto de todas as células do organismo, especialmente do trato gastrointestinal, tecido nervoso e medula óssea.

Característica importante é que a cianocobalamina somente exerce suas funções quando em deficiência, não tendo sido conhecidas outras propriedades farmacológicas além desses limites, sendo as únicas indicações farmacológicas a anemia perniciosa ou uma deficiência do fator intrínseco frequentemente causada por anticorpos e, secundariamente, o local provável de transformação de megaloblastos da medula óssea, após instalação da vitamina B12 na cavidade da medula óssea

Fontes

A vitamina B12 esta presente nos alimentos protéicos de origem animal, especialmente nas vísceras, leite cru, ovos. Essas características fazem com que alimentações vegetarianas radicais não ofereçam vitamina B12. Dessa maneira, os vegetarianos precisam obter a vitamina B12 de fontes não-dietéticas, sendo que muitos deles tomam regularmente injeções ou comprimidos de vitaminas B12.

Deficiência e toxicidade

A deficiência da vitamina B12 causa a anemia perniciosa ou megaloblástica, caracterizadas pelo aparecimento de células vermelhas maiores e imaturas, mas em número menor do que o normal. A deficiência do ácido fólico também causa a anemia megaloblástica, sendo difícil distinguir qual é a vitamina responsável pela deficiência. A deficiência da vitamina B12 também pode resultar em problemas neurológicos, problemas de pele, diarréia e perda de apetite. Os níveis corpóreos dessa vitamina fazem com que sintomas de deficiência venham a aparecer apenas após 5 ou 6 anos, no caso do individuo não receber essa vitamina pela alimentação. Somente então acorre o aparecimento da anemia perniciosa e também o desmielinizarão da medula espinhal. O chamado “armazenamento” corpóreo dessa vitamina é sustentado principalmente pelo chamado ciclo êntero-hepático, no qual a vitamina excretada pela via biliar é novamente absorvida no trato intestinal e levada a integrar esse ciclo. A microflora intestinal também contém microorganismo que podem sintetizar a vitamina B12, porém não se sabe ainda o papel dessa contribuição no estado nutricional em relação a esta vitamina. Dose de até 30µg de vitamina B12 por dia parece ser bem tolerada pelo organismo, não apresentado toxicidade.

Indicações

Considerando que a anemia perniciosa é raramente devida primariamente a uma insuficiência dietética de vitamina B12, sendo ocasionada pela deficiência do fator intrínseco e dessa maneira à de iciente absorção de vitamina B12, o tratamento da anemia perniciosa deve ser realizado de preferência com doses parenterais de 10 a 20mcg, uma ou quatro vezes ao dia, podendo em casos especiais ser dobrada aquela dose.

3. Considerações Finais:

A vitamina B12 é um fator importante no metabolismo dos ácidos nucléicos, essencial para o funcionamento correto de todas as células do organismo, especialmente do trato gastrointestinal, tecido nervoso e medula óssea. A deficiência da vitamina B12 causa a anemia perniciosa ou megaloblástica, caracterizadas pelo aparecimento de células vermelhas maiores e imaturas, mas em número menor do que o normal. A deficiência da vitamina B12 também pode resultar em problemas neurológicos, problemas de pele, diarréia e perda de apetite.

Bibliografia :

DUTRA-DE-OLIVEIRA,J.E. MARCHINI,J.S.Ciência Nutricionais.1ºed. São Paulo: SAVIER,1998.

FRANCO. Guilherme.Tabela de composição química dos alimentos. 9ºed. São Paulo: ATHENEU, 2003.

VERRASTRO.Therezinha. Hematologia e hemoterapia; fundamentos de morfologia, fisiologia, patologia e clínica. 1ºed. São Paulo: ATHENEU, 2005.