A lição das galinhas

De José Domingos da Silva

A LIÇÃO DAS GALINHAS

Era uma vez um criador de aves que tinha centenas de galinhas, galos e pintainhos. Cada dia que passava aumentava o número de suas crias.

Certo dia num final de tarde, como fazia todos os meses, o criador passou a conferir a quantidade de aves. Ao contrário das outras vezes notou que faltava varias galinhas, alguns galos e pintainhos.

Desse dia em diante passou a contar todo final de semana e se deu conta que suas crias diminuíam ainda mais.

Então começou averiguar e descobriu que eram as raposas que caçavam as galinhas, galos e pintainhos.

O camponês pensou:

–         Vou me armar com uma espingarda e matarei as raposas.

As raposas descobriram o plano e passaram a atacar as aves por outro lado do terreiro.

Após nova contagem o camponês viu que espingarda não resolvia e contratou seguranças armados para proteger todos os lados do viveiro.

As raposas descobriram o plano e combinaram que algumas iriam atrair os homens da segurança enquanto as outras, em bando, avançariam e caçariam as aves.

O criador percebeu que o plano de seguranças não funcionou e montou nova estratégia. Dessa vez tinha certeza que funcionaria, pois era um plano audacioso. Contratou um ferreiro e amputou uma unha pontiaguda de ferro nas unhas de cada galinha e galo, para que se defendessem quando atacadas.

Não funcionou de novo, pois o camponês esqueceu de um detalhe fundamental. As galinhas e galos usam as unhas para ciscar o chão em busca de alimentos. E quando eram atacadas não conseguiam correr com destreza e devoradas com facilidade.

Percebendo que nenhuma tentativa dava o efeito esperado, o camponês decidiu contratar cães raivosos para ficar próximo das aves. Mas os cães não suportavam os cacarejos e passaram a devorar as galinhas ao invés de caçar as raposas.

Quando o camponês viu penas nos dentes dos cães se deu conta que as galinhas eram indefesas por natureza.

Foi ai que teve uma idéia brilhante. Passou a treinar as galinhas para que se defendessem. Dispensou as armas, os seguranças, arrancou as unhas de ferro, devolveu os cães aos seus donos e passou a ensinar técnicas de organização, autoconfiança, autoestima, confiança umas nas outras e respeito por lideranças. Ensinou ainda que elas deveriam andar em grupo, atacar, ciscar, comer e correr em grupo.

Em pouco tempo o camponês descobriu que as galinhas se ajudavam, se defendiam e não eram devoradas pelas raposas. Aprendeu que a melhor defesa não é a força muscular nem de armas, mas o modo como se organiza para vencer os desafios que o mundo oferece.