A Revolução da Internet

A Revolução da Internet

O advento da internet juntamente com as suas inexoráveis conseqüências no modo de agir e pensar da sociedade atual, modificando-o de forma definitiva, pode ser considerado como um acontecimento de impacto semelhante ao causado pela Revolução Industrial (segunda metade do século XVIII), tendo em vista as inúmeras e profundas transformações que esta última também impôs à sua época.

Tal afirmação se baseia no fato de que, guardada as devidas proporções relacionadas à velocidade relativa do tempo em que ocorreram, ficam evidentes as transformações econômicas, políticas, culturais, sociais e inclusive pessoais que foram impostas às nossas vidas.

Imaginar a internet como um simples repositório de informações, acessíveis de qualquer lugar do mundo é subestimar sua real importância e função em um planeta onde a informação não só precisa estar acessível a qualquer tempo, mas, sobretudo, precisa ser transportada a qualquer instante independente da distância que separam as partes interessadas.

É nesse contexto que a tecnologia da informação (TI) surge como um condensador das necessidades de acessar, processar e transportar a informação.

Sistemas de informação complexos sempre existiram em virtude das enormes dificuldades impostas pelos processos operacionais das organizações, entretanto, os permanentes desafios que esses sistemas sempre enfrentaram foram a complexidade no processo de transporte da informação, bem como a correta utilização dos dados armazenados para que os mesmos pudessem ser transformados em informação de utilidade, agregando valor e transformando-se em um diferencial preponderante para a gestão.

O desenvolvimento da TI colabora fortemente com a questão da correta utilização da informação, classificando-a, organizando-a e permitindo sua livre manipulação pelos usuários interessados. Sistemas de “workflow” controlam os processos desde o seu início até seu respectivo fim, dando uma visibilidade nunca antes imaginada pelos seus usuários. Grandes quantidades de dados são manipuladas de forma inteligível pelas organizações por meio de seus “Datamarts”, transformando-se em informações de fundamental utilidade para as mesmas.

Em relação ao seu transporte, essa barreira foi literalmente pulverizada com a chegada da internet. A acessibilidade disponibilizada pela infra-estrutura da rede mundial, bem como a criação dos diversos protocolos de transmissão de dados eliminou toda e qualquer dificuldade antes imposta pelas barreiras físicas de acesso.

Compras passaram a ser pagas em tempo real, entregas de pedidos acompanhados da mesma maneira. Dados financeiros antes restritos àquele público-alvo estão disponíveis em qualquer parte do mundo, acessíveis por quaisquer pessoas que tenham interesse e autorização por aquela informação. Pesquisas científicas são compartilhadas, a educação é levada para todos os cantos do planeta, palestras, convenções e até mesmo manifestações tiveram seu poder de cooptação e abrangência infinitamente multiplicados pela internet.

A própria telecomunicação tradicional foi abalada e teve de se adaptar às novas vertentes digitais disponibilizadas pela internet, tais como telefonia IP, aplicações de mensagens instantâneas etc.

Os mercados tradicionais se tornaram presas fáceis para os que se utilizam de maneira eficaz e consciente a grande rede.

Entretanto, se faz necessária a lembrança de que juntamente com as benesses adquiridas, a internet também nos impôs muitas mazelas, dentre as quais se destacam a falta de privacidade e a sujeição às novas formas de crimes. Porém, como toda nova tecnologia disponibilizada à humanidade, é esta última que se encarregará de regular essa nova maneira de interagirmos, de forma a buscar o equilíbrio entre as virtudes e defeitos encontrados.

Pode-se afirmar que há reciprocidade entre os processos de TI e internet, sendo que a última não brilharia com tamanha intensidade se não houvesse os sistemas de TI sustentando-a e dando valor às informações ali disponibilizadas, bem como a TI não teria alcançado tamanho valor junto às organizações se não tivesse se aproveitado da infra-estrutura e informações disponibilizadas pela rede mundial de computadores.

Diante do exposto, fica evidente que a revolução provocada pela internet em todos os setores da economia, principalmente levando-se em consideração sua aplicabilidade e conveniência junto à área de TI, otimizou e racionalizou senão todos, ao menos a maioria dos processos relevantes para o planejamento do futuro e sobrevivência dos próprios setores no mundo globalizado.

Artigo elaborado por Adriano Almeida Regis da Silva
(Gerente de TI da CAIXA Econômica Federal, graduado em Desenvolvimento de Sistemas, pós-graduado em Gerência de Projetos, MBA Profissional em Análise de Sistemas e Telecomunicações e Extensão Universitária em Gestão de TI)