Comparação dos Parametros Químicos do Solo no Assentamento Natur de Assis, Santa Inês – BA, Em Uma Área Sob Cultivo e em Regeneração

INTRODUÇÃO

À medida que os ecossistemas naturais vão sendo substituídos por agroecossistemas, uma série de alterações é ocasionada, promovendo, de acordo com Godoi (2001), interferência no equilíbrio dinâmico daquele. Estas substituições provocam um desequilibro no ecossistema, uma vez que o manejo adotado influenciará os processos físicos, químicos e biológicos do solo, modificando suas características e muitas vezes, proporcionando sua degradação (SOUZA & ALVES, 2003).

Para Souza e Melo (2003), este processo se acentua com os cultivos subseqüentes que removem matéria orgânica e nutrientes, os quais não são repostos na mesma proporção, ao longo do tempo. Em dado momento os teores podem tornar-se tão baixos que inviabilizam a produção agrícola, caracterizando um estádio avançado de degradação.

OBJETIVO

A comparação entre áreas cultivadas e vegetação nativa, num mesmo solo, é uma alternativa viável para fazer estimativas mais apropriadas das alterações nas propriedades do solo. Neste sentido, objetiva-se com este trabalho comparar os parâmetros químicos de um solo sob vegetação em estágio de regeneração, sob policultivo adubado e sob policultivo não adubado.

METODOLOGIA

O presente trabalho foi desenvolvido em um lote no assentamento Natur de Assis, pertencente ao município de Santa Inês – BA. O local selecionado apresenta na mesma topossequência, ambiente em regeneração e cultivado. Consistindo em três áreas: Área I – Corresponde a vegetação secundária, área de regeneração; Área II – Diz respeito a área cultivada no sistema de policultivo sem adubação; Área III – Representa a área cultivada no sistema de policultivo, com adubação.

Em cada área foram coletadas 15 a 20 amostras simples com trado holandês resultando 3 amostras compostas, que foram enviadas ao laboratório para realização das determinações químicas (Figura 1). Os parâmetros químicos avaliados foram: pH, Ca+Mg, soma de bases (S), capacidade de troca catiônica (CTC) e matéria orgânica.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

Ao analisar o quadro 1, verifica-se que os resultados indicaram que a Área I apresentou valores de pH, Ca + Mg, valor S e CTC, maiores que nas áreas com agricultura, sendo estes respectivamente, 5,0; 2,4 Cmolc/dm3; 2,52 Cmolc/dm3 e 4,92 Cmolc/dm3, tal resultado era presumível, por se tratar de uma vegetação em estágio de regeneração, onde a ciclagem de nutrientes é maior que em áreas com agricultura.

CONCLUSÕES

Ao avaliar as duas áreas sob cultivo (Área II e Área III) verifica-se que os valores destes parâmetros foram maiores na Área II, o que era de se esperar, devido às adubações realizadas, sendo tradição da região a aplicação de adubos formulados 10:10:10. A matéria orgânica apresentou teores maiores nas áreas II e III, supondo-se que este resultado deve-se ao uso de adubação orgânica. Conclui-se que em relação à área sob regeneração, o cultivo alterou negativamente as características químicas do solo, com exceção da matéria orgânica.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

GODOI, L.C.L. DE. Propriedades microbiológicas de solos em áreas degradadas e recuperadas na região dos cerrados goianos. 2001. Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2001. (Dissertação Mestrado).

COSTA, L. M. da. Aspectos de manejo do solo. In undação Cargill. Campinas, 1986. p. 73-84.

SOUZA, Z. M.; ALVES, M. C. Propriedades químicas de um latossolo vermelho distrófico de cerrado sob diferentes usos e manejos. R. Bras. Ci, Solo, Campinas, n. 27, p. 133-139, 2003.

SOUZA, W. J. O.; MELO, W. J. Matéria orgânica em um Latossolo submetido a diferentes sistemas de produção de milho. R. Bras. Ci. Solo, n. 27, p. 1113-1122, 2003.