Conserve a turbina do seu caminhão

Observando algumas regras básicas da dinâmica gasosa, o Dr. Alfred J. Buchi desenvolveu em 1905, na Suíça, os primeiros estudos sobre o turbo. Entre 1909 e 1914, surgiram os primeiros motores equipados com turbo no mundo. Existem registros indicativos de que em 1910, numa corrida realizada na Flórida, o vencedor foi um carro de passeio de 6 cilindros, cujo motor era equipado com um supercompressor. Porém, estudos do Dr. Alfred J. Buchi, considerados muito avançados para sua época, ficaram em banho-maria por aproximadamente 10 anos. Suas pesquisas foram retomadas e refeitas, pois existiam muitos problemas a serem solucionados. O objetivo era fazer com que a produção de turbos passasse a ter economia de escala. Isto ocorreu primeiramente na Europa e depois nos Estados Unidos. Na Segunda Grande Guerra, a General Eletric desenvolveu os turbos para aplicação em aviões militares, dando ao sistema o status de importante recurso para a aviação de guerra.

Atualmente, os turbos são utilizados em automóveis, caminhões, ônibus, equipamentos de agricultura, embarcações, aeronaves e em muitas outras aplicações. Podemos dizer, basicamente, que um motor está sobrealimentado quando, por meio de um turbo, utiliza a pressão dos gases de escape para elevar a pressão de linha de admissão do motor. Este recurso proporciona melhor aproveitamento de energia pois a pressão dos gases de escape depende da rotação do motor, que em um motor de aspiração natural supostamente seria desprezado.

Os benefícios que o turbocompressor traz ao desempenho de um veículo é conhecido por todos: o equipamento proporciona maior potência e maior torque ao veículo, além de diminuir a emissão de gases poluentes. Porém, as dúvidas a respeito do turbo também são constantes e não são raros os casos de danos ou mal funcionamento causados pela mau uso do equipamento.

Visando esclarecer tais dúvidas e fazer com que o turbo do seu veículo tenha vida longa, a Unidiesel Turbos traz para você algumas dicas:

– A rotação do turbo é muito alta, chegando a até 130 mil rpm. Por esta razão, o perfeito funcionamento do sistema de lubrificação é fundamental.

– Verifique regularmente se todas as tubulações e conexões estão devidamente apertadas e sem vazamento. Corpos estranhos no turbo destroem as palhetas dos rotores.

– Ao dar partida no motor, deixe-o funcionar alguns minutos em marcha lenta para estabilizar o fluxo de óleo do motor, antes de sua utilização normal. Isto proteje o turbo, dando a ele vida longa.

– Não desligue o motor bruscamente. Deixe-o funcionar alguns minutos em marcha lenta para que o óleo lubrificante do motor resfrie o turbo e seus componentes internos. Ao desligar o motor em alta rotação, o turbo continuará girando sem fluxo de óleo, o que causará danos aos mancais ou até sua destruição.

Para saber mais, visite: http://www.unidieselturbos.com.br