Cuidado para não entrar na oficina do diabo

Uma das coisas que mais se observa nas mulheres quando estas estão diante de situações cotidianas é a instabilidade emocional.

 

Dentre muitas justificativas, tais como a complexa torrente de hormônios e etc., há uma realidade a qual, toda mulher deveria levar em consideração, a realidade a qual me refiro é a falta de habilidade em dosar as emoções diante dos problemas do cotidiano.

 

Mas o que quero dizer com isto tudo é que, quase todas as mulheres deixam se levar muito facilmente pelas leis das médias. A título de esclarecimento, lei das médias é o nome dado ao conjunto de fatores que existem em uma sociedade que é capaz de conduzir as pessoas que são incapazes de tomar decisões próprias a resultados previsíveis que já aconteceram e acontecem na vida das pessoas a sua volta.

 

Um exemplo muito valioso de atuação da lei das médias é o fato da mulher se deixar levar pelas regras e tradições ou do seu grupo de amigas ou do local aonde vive. Muitas mulheres tem o hábito de sempre tomarem consultoria com uma ou algumas amigas a respeito de coisas intimas, tais como se deve ou não iniciar um relacionamento com alguém ou se deve ou não fazer uma ou outra coisa.

 

Não é errado você buscar tomar conselhos desde que você já tenha uma opinião própria formada, e na hipótese de um conselho parecer mais coerente do que a sua própria decisão não há razão do porque não segui-lo.

 

No entanto, muitas mulheres não sabem que em quase 86,59% dos casos as “amigas” induzem elas a não iniciarem um relacionamento, não pelo fato do rapaz ser desprovido de beleza ou coisa do tipo, é pelo fato delas temerem que você alcance o sucesso e se de bem e elas fiquem com uma vida afetiva sem brilho.

 

Não que eu esteja sustentando que as suas amigas querem o seu mal, mas é porque está na natureza da maioria esmagadora das pessoas pensarem primeiramente nelas mesmas e para só depois de avaliar a situação pensarem em outras coisas.

 

Para concluir esta linha de raciocínio, uma das primeiras coisas que você deve se preocupar é em adquirir o hábito de ter um conjunto de emoções mais estável e não entregar a sua vida a lei das médias, porque se você fizer o que uma maioria de pessoas frustradas fizer você terá os mesmos resultados que este grupo de pessoas tem.

 

A falta de planejamento é um veneno mental, as mulheres em si não tem culpa já que as tradições sociais são as grandes responsáveis. Durante milênios na história da humanidade a função da mulher na sociedade era somente se preocupar com as funções do lar, pensar em ter um bom casamento e coisas do tipo.

 

No entanto, há menos de um século as mulheres ganharam status e conotação social, mas só que se esqueceram que para a vida em sociedade é preciso ocupar a mente com coisas bem mais complexas do que os pensamentos de ter, manter ou arranjar um bom relacionamento.

 

Uma das coisas que tem-se observado bastante no cotidiano feminino é que o rendimento no trabalho fica muito prejudicado pela ênfase que se dá a pensamentos de ordem sentimental.

 

Toda mulher que planeja a sua vida social, atinge posições infinitamente superiores que as demais no mercado de trabalho e a diferença é gritante.

 

O correto é que a mulher que deseja atingir independência social e moral se dedique a concentrar a sua energia mental nas tarefas que está fazendo no momento, ou seja, se o seu tempo está sendo preenchido com o trabalho ocupe a sua mente com pensamentos ligados ao seu trabalho, tal como promoção, aumento de salário, aumento de rendimento, dentre outras coisas.

 

Se o seu tempo está disponível para relacionamentos, concentre a sua mente com coisas ligadas ao relacionamento.

 

Uma outra dica muito preciosa é fazer uma pequena reflexão mental se o que vem ocupando a sua mente é uma coisa definitiva ou transitória. Porque uma das coisas que vem em muito preocupando o Point dos Amores é que há mulheres que vivem emocionalmente presas a condições psicológicas transitórias como se fossem durar para sempre.

 

Um exemplo prático, é o fim de um relacionamento. Muitas mulheres deixam de comer, de sair e até de viver por conta de uma coisa transitória.

 

Se você parar para pensar o fenômeno da globalização abriu muitas oportunidades no campo dos relacionamentos, porque hoje está mais fácil do que antes de se conhecer pessoas interessantes. É como diz um clichê: “levanta sacode a poeira e dá a volta por cima”.

 

O mundo está em constante transformação, o que aconteceu ontem, só existe em nossas lembranças, pois se você olhar a sua volta o que aconteceu ontem seja bom ou ruim não existe mais, então porque viver acorrentada ao passado?

Atenciosamente;

Hudson Sander