Detonando a Teoria do Big Bang

Acreditar na Teoria do Big Bang impede a percepção global do universo e constitui um desserviço à evolução humanística, pois ela induz a sensação de que o universo é fruto do acaso e caótico.

 

A Teoria do Big Bang atribui a forma atual do universo e a sua expansão, que foi detectada em 1929 por Edwin Powell Hubble, a uma grande explosão (Big Bang) que teria ocorrido por volta de 13,7 bilhões de anos em função de uma grande concentração de massa e energia.

 

A Teoria do Big Bang não levou em conta que o universo é um sistema fechado, ou seja, ele é um mecanismo autofágico (moto-contínuo natural). Ele se alimenta de si próprio porque não tem exterior. A frase “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma!” é uma evidência disto. Portanto, a autofagia é uma prova que o universo sempre existiu e continuará a existir.

 

Uma alternativa mais lógica para justificar a expansão do universo é atribuí-la a necessidade que ele tem de bombear os corpos celestes até pontos que sejam capazes de transformá-los para atender as necessidades sistêmicas. Estes pontos de reciclagem, provavelmente, são os buracos negros. O universo precisa se inflar e desinflar para bombear os corpos celestes, exatamente como o pulmão faz para bombear ar. Os corpos celestes se afastam na inflação e se aproximam na desinflação, pois eles são a carga e a bomba simultaneamente. Portanto, a expansão do universo não é eterna, pois de tempos em tempos o universo se contrai causando o refluxo dos corpos celestes. Infelizmente, nós não podemos observar as duas etapas deste processo, pois o universo é gigantesco e elas podem durar bilhões ou até mesmo trilhões de anos. Esta visão sistêmica do funcionamento do universo pode ser chamada de “Teoria da Big Pump” (Teoria da Grande Bomba) (Download aqui).

 

As informações que foram aqui transmitidas carecem de um contexto mais amplo que pode ser encontrado na “Teoria do Big Brain – Uma Versão Digital da Criação.” Esta teoria é a única obra que consegue apresentar uma visão holística da engenharia da natureza e demonstrá-la através de fatos. Somente a Teoria do Big Brain consegue integrar os fatos materiais aos imateriais sem prejuízo à lógica e aos conhecimentos empíricos. A Teoria do Big Brain é a obra ideal para quem acha que a estória de Adão e Eva é uma fábula e que a Teoria da Evolução carece de um contexto muito mais amplo.