Diferenças entre os conhecimentos comuns e os transcendentes

Recordo-me de que, antes de tomar contato com a  Ciência Logosófica, não me sentia satisfeito com os conhecimentos comuns adquiridos nem com os elementos proporcionados pelas crenças de um modo geral. Eles não saciavam a minha sede do verdadeiro saber, porque, por si sós, não atendem às necessidades internas e superiores do ser humano nem preenchem a finalidade essencial da vida. Além disso, existe uma grande diferença entre os conhecimentos comuns e os superiores ou transcendentes. Os primeiros atendem às necessidades físicas e externas do ser humano, por isso não podemos desprezá-los por causa da subsistência da própria vida. Os transcendentes são imprescindíveis para a realização do processo de evolução consciente, que o criador da Logosofia González Pecotche instituiu e ensina a realizar nas Fundações Logosóficas, com a finalidade de atender a nossa natureza superior ou espiritual. São fundamentais para a nossa superação nos aspectos mental, moral e espiritual, porque somente por meio deles podemos ampliar a nossa vida, superar-nos internamente, conhecer  a  nós mesmos, os semelhantes, a Criação, as Leis Universais, o nosso espírito e o Criador.

A evolução consciente exige uma consagração constante contra a nossa natureza inferior, mas quando vislumbramos as perspectivas promissoras de transpor o cerco que limita os horizontes da nossa vida, sentimos uma satisfação íntima e uma grande alegria interna. Então, nos predispomos a dar continuidade a essa evolução determinada pelas Leis Universais, nas quais está plasmada a suprema vontade do Criador.

Dos conhecimentos transcendentes emana uma energia edificante capaz de despertar a nossa consciência e as potências adormecidas da mente, com as quais podemos edificar uma nova vida bem superior à comum.

Sinval Lacerda

Para mais informações sobre a Logosofia e a Fundação Logosófica:

www.logosofia.org.br