Estação de tratamento de Itatiba

RELATÓRIO DE VISITA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS
DE ITATIBA

Elcio Corrêa de Lima

1. INTRODUÇÃO

A terceira turma do curso de gestão ambiental da cidade de Campinas, realizou no dia 15 de dezembro de 2007, a visita técnica nas instalações da Estação de Tratamentos de Esgotos de Itatiba, localizada no bairro do Porto, e lá pudemos conhecer as diversas fases de tratamento.

Vista parcial da ETE (foto 01)

2. Resumo

Itatiba terá 100% de esgoto tratado. A Prefeitura de Itatiba, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e o Governo do Estado, inauguraram oficialmente nesta sexta-feira, dia 9 de outubro de 2007, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do município. A solenidade contou com a presença do governador do Estado, José Serra, da secretária de Estado de Saneamento e Energia, Dilma Pena, deputados federais e estaduais, prefeitos da região, autoridades e população. Conforme previsão da Sabesp, com o funcionamento pleno da nova ETE, Itatiba chegará aos 100% do esgoto tratado até o final deste ano. O empreendimento, iniciado em 1997, tem capacidade para suprir as necessidades do município até o ano de 2018, quando se estima que a população de Itatiba estará em cerca de 120 mil habitantes. Para a construção da ETE foram investidos R$ 10 milhões pelo Governo do Estado e Ana – Agência Nacional da Água.

2.1. Primeira Etapa do Projeto ( 1998 ­ 2008 )
População a ser atendida habitantes………………….89.829
Carga orgânica…………………………………………………4.851 kg/dia
Vazões médias Doméstica…………………………………..166,54 l/s
Industrial (origem têxtil)…………………………………………43,09 l/s
Infiltração…………………………………………………………….25,46 l/s
TOTAL………235,09 l/s
Vazão máxima horária………………………….2 x 235,09 = 470,2 l/s
Concentração média SNF………………………………………300 mg/l
Etapa Final do Projeto ( 2008 ­ 2018 )

2.2. Corpo Receptor
Ribeirão Jacarezinho, que tem sua foz no Rio Atibaia, a cerca de 450 m do ponto de lançamento. Tanto o Ribeirão Jacarezinho como o Rio Atibaia são rios de classificação Classe 2 de acordo com os Padrões de Qualidade de Água, do Artigo 18 os Padrões de Emissão da Lei Estadual nº 977 de 31/05/76.

3. Coleta de Esgoto: Segundo informações do gerente de operações da ETE de Itatiba, a cidade dispõe de cerca de 24.000 ligações de esgoto, sendo que o sistema coletor possue 138.000 metros entre redes e emissários.

4. Fases do Tratamento

4.1 . Gradeamento primário e Retirada de Areia (Grade Grosseira): Nesse local é retido o grosso do material que vem pela rede de esgoto que são composto de lixo doméstico (plásticos, panos, estopas,absorventes e outros).

(foto 02)

4.2. Gradeamento Automático: Após ter passado pela grade grossa, o esgoto segue para o Gradeamento Automático, que serão removidos os materiais de menor tamanho. Na foto 04 são observados diversos materiais que vem pela rede esgoto indevidamente.

Gradeamento automático (foto 03)

Detalhe do material removido (foto 04)

4.3. Floculação/Decantação: O processo de mistura lenta da água para provocar a formação de flocos com as partículas (floculação). Nessa etapa o esgoto recebe a adição do cloreto férrico, onde ocorre a aglutinação dos materiais em suspensão, dando origem aos flocos que irão se depositar no fundo do reservatório.

Parte superior do sistema floculação/decantação (foto 05)

Saída do líquido decantado (foto 06)

4.4. Filtro Aeróbico Submerso: (Passagem da água por tanques que contêm leito de pedras, areia e carvão antracito para reter a sujeira que restou da fase de decantação.) O esgoto ao sair dos decantadores, o líquido segue para os Filtros, o qual receberão o oxigênio através do borbulhamento de ar, obtido com o uso de sopradores. Além da oxigenação, o filtro é composto por material plástico de porosidade ideal para o estabelecimento de bactérias do tipo metânicas, sendo que estas estabelecidas em grande número em colônias fazem a transformação das matérias não retidas nas fases anteriores em nutrientes para o meio aquático.

Detalhe do material plástico do leito filtrante (filtro seco) Saída do esgoto tratado após A Filtração (foto 07)

4.5. Centrifugação: Nessa etapa, todo o material acumulado no fundo do decantador segue para desidratação na sala das centrífugas, após, esse material tornar-se inerte, e encaminhado para a estação de tratamento de resíduo industrial da cidade de Paulínia (ESTRI).

Material centrifugado(foto 08)

4.6. Reuso da água: Toda a água utilizada nas operações da ETE (preparo de soluções, aspersão, lavagens e jardinagem) é obtida através do tratamento secundário de esgoto, e bem como a energia para estas operações vêm através da energia hidráulica fornecida pelo próprio sistema (roda d’água).

Roda de água para bombeamento da água de reuso (foto 09)

Filtro (foto 10)

5. CONCLUSÃO

A Estação de Tratamento de Esgotos Bairro do Porto apresenta um ótimo índice de qualidade, sendo que no dia da visita pudemos verificar as análises e outros parâmetros,sendo que, a quantia de 120 mls/litro de sólidos e o esgoto tratado acusava um valor menor de 0,1 ml/litro.
Os sopradores estavam fornecendo um valor residual de cerca de 2 mg/litro de oxigênio dissolvido, sendo que antes do tratamento este mesmo esgoto acusava altos índice de Demanda Química ( DQO) e Biológica (DBO) de oxigênio

A ETE Itatiba possue laboratório próprio, sendo que os funcionários fazem análise da água nas 24 horas do dia (segundo gerente de operações). Estas análises contemplam todas as fases do tratamento, sendo os resultados lançados em computador e ficando à disposição para consultas.

ESQUEMA DO SISTEMA DA ESTAÇAO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE ITATIBA