KITT: O carro que seduziu toda uma geração

Quando a Sétima Arte se une com o universo motorizado surgem carros emblemáticos que se convertem em objetos de desejo. São muitos os carros que saltaram para o estrelato como “companheiros de aventura” inseparáveis das estrelas dos seriados de TV ou filmes, mas um dos mais memoráveis é o Pontiac Firebird Trans Am, mais conhecido como KITT, do seriado “A Super Máquina”, uma trama de 90 episódios combinando suspense e toques futuristas.

Por trás das câmeras

KITT se tornou um fetiche real para a geração dos anos 80, e se introduziu tão profundamente no coração de seus fãs, que os seriados de TV e filmes posteriores tentando substituí-lo receberam muitíssimas críticas negativas. O mesmo acontece quando se pretende substituir um ator muito amado pelo público.

O sucesso de KITT é devido, em grande parte, ao gênio criativo de George Barris, um dos primeiros desenhadores que se dedicou a tunar carros. Barris adicionou em seu interior uma tela repleta de botões e luzes coloridas, que naquela época parecia um vislumbre do futuro. No entanto, o elemento mais copiado do desenho de KIT, foi a luz colocada em sua parte dianteira, logo milhares de carros circularam em todo o mundo com esse detalhe.

Sequer faltaram carros de pequeno porte de coleção que pretendiam tornar real o sonho de possuir um KITT. Alguns anos mais tarde apareceram videojogos para Nintendo, PC e PlayStation, permitindo aos fãs dirigir este carro a toda velocidade para perseguir os vilões.

O Carro perfeito

Além dos detalhes técnicos do carro, o que realmente cativou milhões de crianças e adolescentes foi o fato de KITT não se tratar simplesmente de um carro inteligente que podia falar e tomar suas próprias decisões, mas por se tratar de um verdadeiro amigo e lutador incansável contra o mal.

No seriado, o criador do KITT, Wilton Knight, conferiu a ele algumas características especiais que eram inimagináveis naquela época, incluindo um supercomputador que podia reagir de imediato,que possuía uma memória prodigiosa e uma capacidade ilimitada para a aprendizagem.

Além disso, o carro tinha uma transmissão automática de oito velocidades, raios-X e infravermelhos, um detetor de sons e odores, uma operação de modo silencioso e uma série de armas para se defender. Além disso, KITT também possuía uma carroceria laminada que o protegia das altas temperaturas, bem como um escudo molecular que o tornava indestrutível. Em suma, um carro perfeito, mesmo nestes dias, pois saía ileso de qualquer incidente sem mostrar sequer um arranhado no para brisa.