Nos Bastidores do que é Notícia:Haiti, o drama de um país

O Haiti está localizado na América Central, ocupando a porção ocidental da Ilha de Hispaniola, no mar do Caribe. É considerada uma das nações mais pobres do continente americano, tendo sofrido por mais de trinta anos com um regime ditatorial, o chamado  Duvalierismo, representado pelos ditadores François Duvalier o ” Papa Doc “e Jean-ClaudeDuvalier, o “Baby Doc”, governos que provocaram intensa instabilidade econômica e social, com repressão política e corrupção.

Hoje, apesar de viver um tempo de maior estabilidade política, contando com o apoio das Forças de Paz da ONU, sob o comando de tropas do exército brasileiro, que ocupam a região desde 2004, o Haiti volta a chamar a atenção  do mundo. Nessa terça- feira, o país voi atingido por um forte terremoto de cerca de 7 graus na escala Richter, que vai até 9.

O tremor de terra atingiu em cheio a ilha Caribenha, deixando um rastro de destruição que se espalhou por todo o país.  Cidades foram destruídas, prédios e casas desabaram, a estrutura de serviços básicos do país, já deficiente, entrou em colapso. As comunicações são precárias, mesmo assim, as imagens chegam e têm  deixado a todos estarrecidos.

As agências de notícias informam que o número de mortos já ultrapassa  cinquenta mil, mas  poderá facilmente chegar a duzentos mil. Além disso não há água, comida ou qualquer infaestrutura de saúde para atender às vitimas. Vários países , inclusive o Brasil, em atitude louvável do Presidente Lula, estão enviando ajuda para resgate e socorro, além de toneladas de alimentos e roupas. Num esforço conjunto, países da América, Europa e Ásia estão pondo de lado suas diferenças , em nome da solidariedade.

Ao  falar das vítimas, não posso esquecer dos militares brasileiros mortos, muito menos de uma pessoa em especial, Senhora Zilda Arns.

Zilda Arns Neumann, brasileira, médica pediatra e sanitarista, fundadora da Pastoral da Criança, entidade que se dedica à anos ao atendimento de crianças carentes em todo o Brasil. A Dra Zilda estava no Haiti à trabalho, fazia uma palestra em uma igreja no momento do terremoto , quando o prédio ruiu e ela morreu , atingida pelos escombros.

Os trabalhos de resgate das vítimas prosseguem, e aí vemos cenas que nos emocionam e nos levam às lagrimas. Ontem, sexta- feira, duas equipes de televisão brasileiras testemunharam o resgate dramático de uma mulher, enfermeira, que se encontrava debaixo dos escombros do hospital onde trabalhava. Ela, com 43 anos, grávida, foi levada para um hospital de campanha  do exército brasileiro e passa bem.

São muitas histórias, são os ” milagres em meio a tragédia”. Histórias de dor, de sofrimento, de pais que perderam filhos, de filhos que perderam pais, histórias de gente que viu e viveu momentos de terror, que com certeza nunca esquecerão.

Dentro de alguns anos, a tragédia do Haiti será apenas mais uma história do mundo contemporâneo. Estará apenas em algumas páginas de livros e nos arquivos das bibliotecas e emissoras de tv. Mas as pessoas que viveram essa história, que fizeram parte desse cenário de horror e devastação, que foram vítimas ou que testemunharam esse triste capítulo da história da humanidade , jamais o apagarão de sua memória.