O COMPUTADOR COMO RECURSO DE APRENDIZAGEM NO CENTRO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA DE ACAILÂNDIA

O COMPUTADOR COMO RECURSO DE APRENDIZAGEM NO CENTRO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA DE ACAILÂNDIA

MARIA NILMA HOLANDA

mnholanda1@hotmail.com

Açailândia-MA

1. INTRODUÇÃO

A educação nestes últimos anos tem evoluído, devido aos grandes avanços tecnológicos usados nas escolas. O governo Federal tem se preocupado em investir nos recursos tecnológicos com o objetivo de melhorar o desempenho do professor e também a aprendizagem dos alunos. A pesquisa tem contribuído muito com a evolução, mudando a cultura dos nossos alunos, eles fazem além de trabalhos escolares, inscrições para concursos e vestibulares. O computador é uma ferramenta de aprendizagem e acreditamos na mudança através do uso dessa maquina. A informática quanto for adotada na escola deverá ser integrada ao currículo, não como uma disciplina, mas sendo considerada uma ferramenta multidisciplinar, que o professor pode contar para bem realizar o seu trabalho; desenvolvendo  atividades que levem a uma reflexão sobre qual a  melhor forma de empregar seus recursos, analisando as características de cada disciplina, realizando a imprescindível interação entre as diversas disciplinas e os  referidos recursos. A informática na escola propicia condições aos alunos de trabalharem a partir de temas, projetos ou atividades, surgidos no contexto da sala de aula. Em decorrência  dessas situações os alunos podem contar com a interatividade e a programabilidade possibilitada pelo computador.

Conforme Castro,

A educação enquanto prática social constitui-se mediação fundamental para a vida no planeta. Isto porque, pela via educativa, tenta-se contribuir para a integração entre o conhecimento científico e o saber popular, visando implantar a tecnologia educacional de uma forma que venha trazer benefícios para os nossos alunos que, de certa forma, mesmo vivendo em um país tecnológico, não tem acesso às informações que precisam (1999, p. 134).

Caracteriza-se pela utilização de uma multiplicidade de recursos pedagógicos, objetivando a construção do conhecimento. Nesse entendimento, as novas tecnologias e técnicas de ensino, bem como os estudos modernos sobre os processos de aprendizagem, fornecem recursos mais eficazes para atender e motivar os envolvidos no processo de ensino-aprendizagem. Porém, para muitos educadores, esses recursos ainda apresentam-se como companheiro estranho, embora se reconheça que a sua utilização no processo está se tornando cada vez mais relevante.

Dentre as questões mais discutidas no mundo contemporâneo, a educação figura com um importante espaço na mídia em geral.

Diante desse contexto social, o presente trabalho vem mostrar como os professores desenvolvem suas atividades no laboratório de química do centro de capacitação tecnológica de Açailândia–MA, onde os alunos do ensino médio que estão cursando o segundo ou terceiro ano são matriculados com o objetivo de melhorar os conhecimentos tanto na área teórica quanto prática, e nós professores tendo a preocupação de desenvolver técnicas formais, que proporcione ao aluno uma forma prática de aprender.

Capitulo I

A IMPORTÂNCIA DO COMPUTADOR NA EDUCAÇÃO

As novas tecnologias da comunicação e informação, em especial, permitem o desenvolvimento de uma capacidade maior de observação da realidade e, consequentemente, de uma percepção espacial mais acurada dos fenômenos naturais e sociais, um valioso instrumento para despertar a curiosidade e o interesse do educando aliados no processo ensino-aprendizagem. Associadas a outros recursos as novas tecnologias permitem: trazer imagens e informações de lugares distantes para a sala de aula; traduzir, principalmente através de imagens, conceitos de difícil explicação; ampliar e detalhar a informação magnética, partindo do referencial geral para o detalhado; transmitir mapas e imagens com riquezas de detalhes; obter dados e informações constantemente atualizadas; desenvolver, com muitas vantagens, o senso de percepção dos objetos; desenvolver o senso de análise e comparação; estimular o gosto pela busca e pesquisa de outros ambientes.

Como podemos observar devido ao desenvolvimento da tecnologia que vem se expandindo a cada dia, e o mundo virtual que permite um grande leque de informações, os educadores e educandos sentem a necessidade de fazerem uso das novas tecnologias para obterem as informações necessárias para  sua prática cotidiana. Conforme NOGUEIRA, (2002, p.1), hoje em dia, qualquer indivíduo, ao assistir a um programa de televisão, andar de automóvel, (…) já usufrui as mais avançadas tecnologias. Isto sem falar de uma fotocópia ou de um saque bancário. Para tanto, um professor, ele precisa de conhecimentos tecnológicos para junto ao aluno construir uma sociedade  inovadora e transformada, capaz de fazer a diferença. As novas tecnologias sendo usadas de forma adequada nos ajudam a criar ambientes ricos em possibilidades de aprendizagem nos quais as pessoas podem aprender qualquer coisa, pois sentem-se interessadas e motivadas e não vítimas de um processo formal e deliberado de ensino.

A informática encontra-se presente em quase todos os seguimentos da sociedade moderna. Na educação não poderia ser diferente. Os sistemas educacionais tem nos colocado diante de um dilema – as Instituições de ensino devem oferecer recursos de informática? E como utilizar esses recursos no curriculum escolar? O computador nas escolas viabiliza o seu uso no contexto do ensino.

O processo de aprendizagem através do computador implica que o aluno, através da máquina, possa adquirir conceitos sobre o conteúdo em estudo. Entretanto, o computador não é o instrumento que ensina, mas a ferramenta com a qual o aluno desenvolve algo, e, portanto, o aprendizado ocorre pelo fato de estar executando uma tarefa por intermédio do computador. Computadores são máquinas que processam dados. Com o uso da tecnologia de informação, professores e alunos têm a possibilidade de utilizar os recursos para se comunicar, fazer a troca de experiências. A dessacralização do laboratório de informática, o acesso à tecnologia de informação, o uso dessa tecnologia para a resolução de problemas favorecem a articulação de uma nova aprendizagem, ao mesmo tempo em que propiciam o aprofundamento de conceitos específicos e levam à produção de novos conhecimentos; a flexibilização do uso do espaço da escola e do tempo de aprender, além de permitir o desenvolvimento de uma capacidade maior de observação da realidade e, consequentemente, de uma percepção espacial mais acurada dos fenômenos naturais e sociais, um valioso instrumento para despertar a curiosidade e o interesse do educando aliados no processo ensino-aprendizagem.

Capitulo II

O uso do computador no curso de química do centro de capacitação tecnológica de Açailândia

Com o avanço da tecnologia principalmente dos computadores, estamos vendo cada vez mais a utilização deste na educação. Muitas escolas públicas já possuem um laboratório de informática com acesso à Internet, softwares e programas básicos mas para tanto se faz necessário um acompanhamento dos professores de como usar esses recursos de maneira a garantir o desenvolvimento do aluno. Precisamos entender que o computador é apenas uma ferramenta, sozinho, se torna uma máquina obsoleta sem condições de traçar avanços educacionais, o aluno necessariamente não pode desenvolver nenhum software sem o acompanhamento do professor capacitado, que possua um planejamento interdisciplinar de forma que o envolva a produzir seus conhecimentos através dos software disponibilizados. O uso da Internet também é um caso importante. Não adianta pedir para o aluno fazer uma pesquisa na Internet sem orientações, dando suporte de como elaborar uma pesquisa, como encontrar sites confiáveis, de forma que venham a gerar conhecimentos com o material pesquisado. O aluno não deve ser colocado de forma passiva diante do computador. As ferramentas tecnológicas devem servir de base para a criação. O importante ao utilizarmos recursos de informática na sala de aula, é não transformar a máquina na principal figura educacional. O computador tem provocado uma revolução na educação por causa de sua capacidade de “ensinar”.

A ferramenta computacional, através de atividades significativas, funciona como instrumento facilitador e enriquecedor em um ambiente de aprendizagem para a produção do conhecimento além de facilitar na busca das informações.

O uso dos aplicativos, pela sua facilidade de acesso traz bons resultados ao processo ensino-aprendizagem, possibilitando que o professor interaja mais com seus alunos do que nas aulas tradicionais. Através do planejamento, as aulas podem ser contextualizas sem perder o foco do conteúdo programático específico, através das pesquisas, e elaboração dos projetos direcionados pelo professor.

O espaço digital transforma o processo de aprendizagem mais atrativo. Sua ação não provoca apenas uma mudança metodológica, mas uma mudança da percepção do que é ensinar e aprender. O trabalho da escola usando a ferramenta do computador possibilita maior responsabilidade ao aluno, por ele mesmo poder dirigir o próprio processo educacional.

No pólo tecnológico os alunos, além de usarem o laboratório com as atividades teóricas e práticas, fazem sempre uso da sala de estudos, onde temos (20) computadores, todos conectados a internet, e uma secretária, que nos auxilia nas atividades de pesquisas. Após as explicações, os alunos com os roteiros são direcionados à sala para trabalhar em grupos e preparar os seus projetos, preparar seminários com slides usando os aplicativos disponíveis. Nesse momento estamos transformando a sala de aula num ambiente interativo facilitador da aprendizagem.

Os alunos do pólo são da rede estadual ou privada que estão cursando ou já cursaram o ensino médio, aprendizes, trabalhadores do setor produtivo que desejam melhorar suas habilidades, principalmente os que estão desempregados e os jovens em busca de desenvolvimento de habilidades específicas procurando aumentar suas oportunidades de emprego ou buscando o preparo para o vestibular.

Capitulo III

O centro de capacitação tecnológica de Açailândia

Os centros de capacitação tecnológica (CETECMAS), hoje, Pólos Tecnológicos da UNIVIMA foram implantados em dez (10) Regionais do Estado do Maranhão, que são nos seguintes Municípios de: Açailândia, Barra do Corda, Brejo, Caxias, Codó, Imperatriz, Pedreiras, Pinheiro, Santa Inês e São Luís, atendendo à população da sede dos municípios, bem como dos municípios no entorno em cada uma dessas regionais. Esses Pólos são considerados de excelência, constituídos com auditórios de videoconferência, sala de tutoria e com Centros de Capacitação Tecnológica (cetecma), com seus laboratórios de Biologia, Física, Química, Informática e Matemática, além dos laboratórios de Eletricidade e de Tecnologia de Alimentos,

A produtividade e a qualidade dos Pólos dependem de novas tecnologias, capacitações e também a ênfase na formação continuada dos profissionais que atuam nos pólos, que vem sendo mantida através de convênios com as UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA (UFCS) e UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS); com as oficinas de integração internas entre os Pólos.

Os Pólos têm características de Instituições de Educação Profissional, abrangendo vários níveis de formação, integrados e complementares entre si, aproveitando, na medida do possível, as condições da infra-estrutura física e de recursos humanos existentes. São verdadeiros Centros de Referência, a desempenhar um papel de núcleos catalisadores e irradiadores de educação técnico-científica e técnico-profissional para todo o Estado.

O princípio fundamental que rege as estratégias de implantação dos Pólos está baseado na nova LDBEN que determina o desenvolvimento da educação profissional “em articulação com o ensino regular ou por diferentes estratégias de educação continuada”. Esta Lei, em seus artigos de 39 a 42, estabelece que “a educação profissional integrada às diferentes formas de educação, ao trabalho, à ciência e à tecnologia”, conduzirá “ao permanente desenvolvimento de aptidões para a vida produtiva”. Esta legislação enfatiza ainda o papel da educação profissional como um componente fundamental do processo de formação humana, promovendo a preparação permanente para a vida produtiva e para o exercício pleno da cidadania.

A implantação de instituições de ensino dedicadas à formação técnico-profissional, em qualquer país, é dispendiosa, pois envolve, além da estrutura física, a preparação de recursos humanos necessários.

A implantação dos Centros Tecnológicos à UNIVIMA veio contribuir com o desenvolvimento do estado e, principalmente dos municípios onde os Pólos estão instalados e funcionando, bem como, contribuir para a melhoria, na área educacional e tecnológica. .(proposta pedagógica dos pólos 2001).

Capitulo IV

O laboratório de química

No laboratório de Química é muito importante a vivencia para o aluno, pois quando começa amanusear com os equipamentos de experimentos, passa a conhecer e entender melhor o funcionamento do laboratório quanto a importância, passando a ficar mais interessado pelos conteúdos teóricos. A partir desta vivencia ele começa a aprender construir seu próprio conceito.

No laboratório de Química do Pólo Tecnológico funciona o curso de Química Básica com carga horária de 80 horas, tendo como instrutoras, as professoras Maria Nilma R. Costa de Holanda, Neurene Cruz e Pastora Silva de Lima. O curso funciona nos três turnos. O aluno para ingressar em um dos cursos precisa estar cursando no mínimo o segundo ano do Ensino Médio.

Os laboratórios possuem sala climatizada com capacidade para 25 (vinte e cinco ) alunos, dotados de carteiras, quadro branco, data-show, TV de plasma, computador para aulas de laboratório. Todos os alunos ao ingressarem recebem uma apostila da instituição contendo os roteiros experimentais das aulas que serão ministradas e também usamos um material complementar nas bancadas, para trabalhos em grupos e de pesquisas, que são os PECs (Projeto Escola e Cidadania). Este é um material rico em leitura, de uma linguagem bem accessível, ilustrados. Para as aulas práticas, usamos os matérias específicos do laboratório. A nossa metodologia é feita através de trabalhos em grupos, usando as bancadas do laboratório que são em (cinco), o objetivo é fazer a socialização, trabalhando a cidadania.

CONCLUSÃO

O uso dos computadores na formação do ensino aprendizagem não deve ser visto isolado, mas sim, como parte de uma situação educacional mais ampla, fazendo uso das atividades necessárias para complementar o processo. A ferramenta não deve ser vista como uma máquina de ensinar, mas sim, como um recurso que controlado pelos alunos, se torna um poderoso instrumento para a construção de conhecimento pessoal.

Hoje a tecnologia estimula o aluno a utilizar recursos intelectuais, num ritmo acelerado e em situações de exigência ativa, num ambiente altamente motivador. No mundo atual, a informática está presente em todas as áreas, tornando-se necessário que os educadores, sintam necessidade de buscar conhecimentos, junto a estes suportes, só assim, encontraremos métodos e técnicas capazes de propiciar uma educação de qualidade.

O uso do computador atualmente encontra-se em todos os níveis de educação. Ele tornou-se, numa ferramenta importante no ambiente escolar, tornando-se num dos principais meios de pesquisa, pois a facilidade de acesso a informações (pela nternet jamais poderia ser conseguida sem a sua utilização). A sala de aula com novos recursos tecnológicos inaugura formas diferentes de ensino e de aprendizagem, é essencial encorajar os professores a usarem esta ferramenta. O uso da Informática na sala de aula facilita a elaboração de texto, sem contar com a enorme quantidade de informação que se pode retirar da Internet.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS

ASTOLFI, J.; DEVELAY, M. A didática das ciências. São Paulo: Papirus, 1995.

BRODIN, G. The role of the laboratory in the education of industrial physicists and electrical

engineers. [S.I.:s.n.] 1978.

CHEVALLARD, Yves; JOHSUA, Marie-Albrete. La transposition didatique – du savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: La Pensée Sauvage Editions, 1991.

CUBAN, L., Computers in the Classroom, 2001, Harvard University Press;

FERREIRA, Norberto C. As diferentes formas de atuação no laboratório.1985.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia – saberes necessários à prática

educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da educação. Perspectivas. v.14 n.2 São

Paulo abr./jun. 2000.

GOUVÊA, S. F. Os caminhos do professor na Era da Tecnologia – Acesso

Revista de Educação e Informática, ano 9, nº 13, abril, 1999.

HILTS, Vera Lúcia Scortecci. A tecnologia necessária. Piracicaba: 1994.

JOHSUA, S.; DUPIN, J. Introduction à la didactique des sciences et des mathématiques. Paris: PUF, 1993.

JONASSEN, D. Using Mindtools to Develop Critical Thinking and Foster

Collaborationin Schools – Columbus, 1996.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MORAES, Roque (Org.). Construtivismo e Ensino de Ciências

MOREIRA, M. A.; LEVANDOWSKI, C. E. Diferentes abordagens ao ensino de laboratório.

PENTEADO, Miriam – BORBA, Marcelo C. – A Informática em ação – Formação de

professores, pesquisa e extensão – Editora Olho d´Água, 2000