O poder dos estímulos

As atividades, geralmente, se tornam mais leves e agradáveis, quando são alimentadas por um constante entusiamo que o estímulo criado é capaz de sustentar.

Às vezes acontece uma queda de ânimo para o desempenho de alguma tarefa que normalmente fazemos com agrado. Para conservamos viva a chama do estímulo e regarregar-nos de novas energias, devemos recordar-nos das conquistas, das passagens agradáveis vividas desde a infância e da prerrogativa máxima que nos foi concedida pelo Criador de podermos superar-nos e ir alcançando, passao a passo, o saber que é o maior estímulo para a vida.

A causa da falta de estímulos em que vivemos deve-se à ausência de ideais e de realizações nos aspectos transcendentais da vida. Geralmente, os conceitos de vida se limitam ao que as crenças e os preconcetos inculcados nos permitem conceber e, infelizmente, para a nossa desdita, atuamos em conformidade com eles. Por esse motivo sentimos a vida cada vez mais pesada e cansativa.

Para que o ânimo não decaia em nenhum momento e se constitua numa fonte perene de energia, devemos renovar sempre os estímulos e agilizar a vida em todas as sua manifestações, o que nos proporciona uma grande alegria interna e a própria felicidade.

Quando os pensamentos superiores nos levam a realizar uma atividade e, conscientemente, procuramos conduzi-los  à  realizações  que contribuam para a nossa superação e a dos demais, maior é o nosso entuasiasmo, e a vontade se move com uma vibração bem diferente, porque é alimentada por estímulos de uma excelente qualidade e de acordo com os grandes objetivos da vida.

Lacemar

Para mais informações sobre a Logosofia e a Fundação Logosófica:

www.logsofia.org.br