O que é uma Encefalopatia crônica? Saiba mais

Encefalopatia crônica é um grupo de sintomas incapacitantes permanentes, resultantes de danos as áreas do cérebro responsáveis pelo controle motor. Não progressiva que pode ter origem antes, durante ou logo após o nascimento e se manifesta na perda ou no comprometimento do controle sobre a musculatura voluntária. Caracteriza por um distúrbio de movimento ou postura dependendo do local e magnitude do dano os sintomas podem variar.

A perturbação da função muscular que surge após a destruição ou ausência congênita dos neurônios motores superiores. Essa alteração pode ser acompanhada, em casos mais graves, por distúrbios de comportamento ou retardo mental.

Causas da Encefalopatia crônica:

Pré-Natal (mais freqüentes): distúrbios funcionais da mãe, infecções nos primeiros meses de gravidez
Natal (freqüentes): lesão cerebral durante o parto causada por falta de oxigênio no cérebro, parto prematuro
Pós-Natal (menos freqüentes): doenças do sistema nervoso (meningite), envenenamento gasoso, trauma.

Tipos de Encefalopatia crônica:

– espástica: maior parte dos casos, hipertonia da musculatura flexora, encurtamento do tendão calcâneo
atetóide: tônus muscular flutuante, movimentos involuntários
– atáxica: marcha cambaleante, hipotonia muscular generalizada
– monoplegia, paraplegia, hemiplegia, diplegia, triplegia tetraplegia, dupla hemiplegia.

Características gerais da Encefalopatia crônica:

– hiperreflexia
– distúrbios na coordenação motora
– problemas na fala
– estrabismo
– retardo mental (pode ocorrer apenas nos casos de tetraplegia muito grave)
– dificuldade de realizar ajustes psicológicos
– distração

Graus de Severidade de acordo com MINEAR (1956) e WEELKEN (1983)

Global

Motor Grosseiro

Motor Fino

Cognição

Fala

Leve

Marcha independente

Sem prejuízo

Q.I. mais de 70

Palavras independentes

Moderado

Marcha necessita de ajuda

arrasta-se

Função limitada

Q.I. entre

50  -70

Palavras precisam de assistência

Severo

Sem locomoção

Sem funções

Q.I 50

Indistinta

Dependência total

Atividade física:

– alongamento muscular evita contraturas (utilizar FNP)
– não tratar PC como DM e estimular a integração social
– exercícios isotônicos localizados evitam atrofia muscular
– relaxamento: reduz a espasticidade e inibe movimentos involuntários
– treino de marcha (subida, descida, para frente, para trás)
– enfocar grandes grupos musculares
– progredir de movimentos grosseiros para os mais refinados
– trabalhar coordenação motora-visual (utilizar alvos)
– estimular a boa postura corporal