Os pensamentos e a sua natureza

Ao analisarmos a natureza dos pensamentos com profundidade, verificamos que os conceitos comuns não definem a realidade da sua essência. Eles são entidades psicológicas criadas pela faculdade de pensar e, quando alimentados pelos elementos constitutivos da energia mental, adquirem vida própria na mente do ser. São construtivos quando subordinados às diretrizes da inteligência e da razão; caso contrário, induzem o ser humano a cometer faltas apesar do firme propósito de evitá-las.

Somente com a ajuda dos elementos logosóficos, pude ampliar esse conceito e perceber a  influência dos pensamentos   na minha vida. Observando as minhas atuações e atitudes tanto para o bem quanto para o mal, pude verificar que eram consequências de suas interferências. Levavam-me, muitas vezes, a fazer o que não queria e impediam-me de fazer o que me propunha.

Antes de tomar contato com os ensinamentos logosóficos, estava completamente alheio a tudo que existia além dos meus sentidos. Não imaginava  que pudesse haver algo superior às “verdades” que acreditava conceber.

O fato de estar voltado para fora de mim mesmo, em contato apenas com as coisas corriqueiras da vida comum, impedia-me de vislumbrar a possibilidade de elevar a minha vida para um destino superior e descobrir a minha realidade e os valores internos.

Senti, então, a necessidade de inverter a direção que estava seguindo. Em vez de me projetar somente para fora, comecei a voltar-me também para dentro de mim. Foi exatamente essa inversão de rota que me possibilitou valorizar os aspectos internos relacionados com os aspectos moral e espiritual, o que me está possibilitando edificar uma nova vida e encaminhá-la para um destino superior.

Lacemar

Para mais informações sobre a Logosofia e a Fundação Logosófica;

www.logosofia.org.br