Pensando o Trabalho com Projetos de Pesquisa

O papel da escola muda de acordo com o modelo social em que esta inserida, no Brasil dos anos 50, explosão industrial, o modelo de cidadão exigido pelo mercado de trabalho era o submisso e obediente, então a escola ensinava submissão e obediência. Hoje vivemos num mundo globalizado onde exigisse pessoas autônomas, críticas, capazes de atuar em múltiplas áreas, de tomas decisões, e o que a escola ensina? Submissão e obediência.

Para exemplificar, um amigo meu trabalhou por muitos anos em uma fabrica de calçados, Sua função era passar cola nas solas que iam ser coladas por outra pessoa, em uma esteira, a vida dele foi essa durante cinco anos: passa cola, passa cola, um trabalho mecânico, ele nunca vira um sapato pronto dentro da fabrica, nem enxergava o final da esteira. Saído desse emprego ele começou a trabalhar em uma rede de supermercados, achou tudo muito estranho, não tinha uma função fixa, teve que trabalhar em todos os setores e nunca ninguém lhe dizia exatamente o que tinha que fazer e como tinha que fazer, tinha apenas o objetivo, organizar as prateleiras, por exemplo, mas ele que decidia como faria isso.

A metodologia de projetos busca atender a demanda da nova sociedade, formar indivíduos para a vida, “educar é um processo de vida, e não um processo para a vida futura.” (ALVAREZ). Quando se pensa em educação pensamos numa formação futura, quando na verdade a formação é presente, precisamos educar para que o aluno viva bem seu presente, seu cotidiano.

O trabalho com Projetos é isso, é mais que uma forma diferente de se dar aula, mais que uma metodologia, é sim uma nova forma de conceber os conceitos de conhecimento, aprendizagem e, acima de tudo, conceber a educação. É assumir uma postura pedagógica não uma técnica.

O discurso dos professores não esta muito longe do ideal do trabalho com projetos, ao perguntarmos a qualquer professor que tipo de aluno deseja formar certamente ouviremos “um aluno critico, autônomo, pensante…” Pena que esse discurso não passe de falatório, pois ao observar a aula deste professor perceberemos que aquele aluno “queridinho” é aquele obediente, submisso, que nunca pergunta, nunca da sua opinião, nem pensa, ou seu pensamento nunca é exposto.

Para que se inicie um trabalho com projetos as intenções do professor devem ser claras, não só para os alunos, mas para ele mesmo. “Quando não sabemos aonde vamos, corremos o risco de chegar a outro lugar.” (Charmeux, 2006). O professor precisa se perguntar: O que eu quero que os alunos aprendam com o projeto?

O conhecimento na perspectiva da pedagogia de projetos é considerado uma construção resultante das relações que o aluno faz das informações novas com as já obtidas e com suas vivências cotidianas. Como afirma Morim no livro A Cabeça Bem Feita o conhecimento é uma tradução feita por uma mente em determinado lugar e determinada época (p.96). O conhecimento acontece de formas diferentes, resultando em saberes diferentes, pois estão relacionadas as vivências que são particulares de cada um.

O trabalho com projetos oferece uma aprendizagem mais significativa que esteja de acordo com as necessidades e interesses dos alunos, possibilitando acima de tudo uma pratica critica, reflexiva e problematizadora. Aprender é intervir no real, é pensar, é por em prática. Mais que entender uma temática o aluno precisa se apropriar do conhecimento, ou seja, usá-lo.

Mais do que escolher o tema a ser estudado, o projeto precisa ser pensado e planejado pelos alunos, eles precisam dar sentido ao que querem aprender por que querem aprender e como chegar a essa aprendizagem. Dar sentido a aprendizagem significa dar funcionalidade ao conhecimento, transportar as tarefas de sala de aula para situações reais, percebe que aprendemos algo quando usamos em outras situações.

O aluno elabora suas perguntas suas inquietações, o professor mostra vários caminhos que possam responder a essas inquietações, mas cabe ao aluno escolher seus caminhos investigativos, o aluno busca as informações, analisa, reflete e assim as transforma em conhecimento.

O projeto, portanto não da respostas, mas oferece novas verdades, as variadas fontes investigativas proporcionam o contato com diferentes pontos de vista sobre os fatos. O aluno aprende a respeitar opiniões diferentes e formular suas próprias, articuladas e justificadas.

A pedagogia de projetos permite aos alunos analisar os problemas no contexto usando os conhecimentos das varias disciplinas e sua experiência de vida. Ou seja, para resolver os problemas propostos, os alunos terão que entender conteúdos de determinadas disciplinas que dessa forma terão mais sentido do que quando aprendidos da forma tradicional: cópia, reprodução.

Esse trabalho mostra novas fontes de aprendizagem, tirando do professor o papel de única fonte de informações, é possibilitado o uso múltiplos artefatos culturais, entrevistas, observação do ambiente, internet, revistas, livros, televisão, fotografia, e muitos outros.

A temática abordada, na maioria das vezes, vale a pena ser estudada por si mesma, sem que se precisem introduzir conteúdos, alias os conteúdos não devem ser postos de fora para dentro, eles vão aparecendo e sendo “jogados” pelo aluno para o professor.

O ponto de partida para o inicio da aprendizagem deve ocorrer do ponto onde o aluno se encontra e não de onde o professor acha que ele esta.

O educador faz uma previsão dos acontecimentos, das atividades e dos conteúdos, mas essa previsão, esse planejamento deve ser flexível, pois dependerá do andamento e do processo de cada um.

As verdades e certezas devem ser questionadas, o trabalho com projeto ensina a duvidar, pois os estudantes aprendem a observar situações de diferentes pontos de vista. Possibilita a vivencia do ato criador, pois não da respostas prontas nem certezas absolutas. Da sim, subsídios para fazer o aluno pensar, o estudante precisa analisar, criticar, se posicionar e defender sua posição.

Trabalhar com projetos permite um maior envolvimento com o conhecimento e com as aprendizagens. Permite uma educação para a vida e para a cidadania. Uma educação para a transformação do pensamento e para a transformação do mundo.

Referencias

ALVES, Lucia Helena. Pedagogia de Projetos; Intervenção no presente. Disponível em www.aparecida.pro/alunos/textos.htm, acessado em 14/08/2006.

HERNANDEZ, Fernando; VENTURA, Montiserrar. A Organização do currículo por Projetos de Trabalho; O conhecimento é um caleidoscópio. Artmed, Porto Alegre, 1998.

MARTINS, Jorge Santos. Projetos de pesquisa; Estratégias de Ensino e Aprendizagem em sala de aula. Autores Associados, Campinas SP, 2005.

VASCONCELOS, Celso dos S. Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo, Libertad – Centro de Formação e Assessoria Pedagógica, 1993.

ZABALA, Antoni. Enfoque Globalizador e pensamento complexo; Uma proposta para o currículo escolar. Artimed, Porto Alegre, 2002.