Quando não da mais…

QUANDO NÃO DA MAIS.

Precisava escrever este artigo a fim de ajudar pessoas, que desesperadas da vida, sem horizonte, sem razão para continuarem na terra dos viventes, já desistiram  em seus corações , já determinaram sua própria sentença. Sabia  que estava enfrentando um grande desafio! Que palavras teria para dizer  a tais pessoas? Que consolo poderia da-las? A intenção era alcançá-las para poder dizer: “ Não desistam! Sigam adiante a luz brilhara no fim do túnel.”

Poderia ser mais ousado:

“ Retroceder nunca , render-se jamais!”

Uma experiência  posso ter concernente a este assunto. Quando  se diz ao coração que já não da mais, determinado a findar com tudo, como um decreto irrevogável, torna-se difícil dizer o contrario. Para tal pessoa é o fim. Digo isto, pois já desisti e fiz um decreto em meu coração. (não implicando a morte, é claro! )

Não tem o que explicar, é algo pessoal, que até pode se diferenciar de pessoa para pessoa. Porém quando é pessoal, é algo do intimo do ser  que só quem vive o que passa, pode dizer  o porquê, só Deus  pode falar  este mistério. Pois é algo que estar escondido no profundo do coração humano, como um Silêncio infinito no mais profundo abismo.

Decretara o fim no coração, sentenciando esta implicação a própria vida, é dizer ao inferno, ou ao mau, como queira:

“Alimenta-se deste meu manjar”

Poderia pensar no que encorajaria um suicida, a cometer o ato de desespero…

Para  o lúcido a ato é insano e diabólico. Talvez para o suicida um alivio misterioso e inconsciente, em uma tentativa de livra-se da derrota, mergulhando assim no misterioso aguilhão da morte.

Mesmo assim continuo escrevendo o que me vem ao coração, nesta tentativa de quebra este  meu próprio conceito de pessoas com tendências  suicidas. Acredito no dono da vida, esse senhor, o Deus que dar a vida, como um don inescusável, mostrando sua grandeza de maneira reveladora na própria vida. O decreto final vem dele.

Se você esta lendo este artigo e conhece alguém suicida, de lhe o melhor remédio para a vida, até dos que estão sem esperança de vida, o remédio chamado AMOR. Para você  que pensa em tirar sua própria vida, posso dize lhe muitas palavras, mais me deterei somente em poucas delas, na esperança que Deus lhe dê o renovo no coração. É dele a vida, assim como o mistério da morte. Conheci um rapaz, que apaixonado, decepcionou-se e deu um tiro na própria cabeça. Lá estava ele vivo, em uma cadeira de rodas… Este é o mistério que falo. Porque ele não morreu? Seria a morte a solução para nós mortais que nada sabemos dela? Solução ou ilusão para um alivio imediato?

Responda a você mesmo, se é que conheces todos os mistérios do universo. Viver  sim é uma questão manipulável, que você pode determina pelo que você faz ou pelo que deixa  de fazer no momento chamado agora, que embora chorando se semeia, para colher no futuro com alegria.

Quem pode dizer que não da mais?

Qualquer um individuo maluco, que não conhece seus limites? Ou qualquer situação deprimente e medíocre?

Só você pode determina na vida o direito de viver e não morre, mesmo quando tudo ao seu redor diz que não.

Na morte não se pode determinar nada, mas na vida tudo em fé em Deus é possível!

Texto publicado no blog:

http://evangelho1.blogspot.com