Saindo da zona do conforto

Jonas 4: 6-11.

Ao comparar a atitude do profeta Jonas com algumas situações que presenciamos, veremos o quanto o homem é egoísta e só pensa no seu próprio bem.

Particularmente, esta narrativa levou-me a uma profunda reflexão sobre valores humanos, e me fez chegar a seguinte conclusão: NADA MUDOU!!!

Jonas se recusou a profetizar sobre a cidade de Nínive e tentou fugir daquele que é Onisciente, Onipotente e Onipresente?! Diante de todas as circunstâncias que passou e somente ao terminar na barriga de um grande peixe percebeu então que não tinha mais para onde ir e por isso decidiu, enfim, cumprir a vontade de Deus só para não ser digerido por aquele animal.

Assim acontece com muitas pessoas, sabemos que temos um trabalho a cumprir, mas com o passar do tempo se acostumam com o estilo de vida evangélico “Gospel Life” e se acomodam nesse cotidiano e se esquecem que há um obra a realizar. A zona do conforto muda o foco do serviço ao próximo, para o serviço de si mesmo.

Vejo a Gospel music, por exemplo, crescer escandalosamente, se organizando tremendamente, grandes produções, mega eventos, mas será tudo isso é ministério ou é negócio, nicho de mercado? Vejo que muitos desses produtores, não sabem nem o que diz no capítulo/vs básico de todo cristão João 3.16! Que cantores evangélicos usam ímpios, mas grandes músicos, para gravar o seu “santo” trabalho para ganhar “vidas” (lê-se: fama, dinheiro) para Jesus! Vejo músicos que só toca se receber “oferta”, com a desculpa de que esse é o seu trabalho. Cuidado músicos (levitas), não faça do seu talento um comercio. Não receba para adorar, Adore para receber… Assim cumpre-se um princípio de que é dando que se recebe.

Partindo para vs. 6 do capítulo 4, Após cumprir o que Deus determinou Jonas foi repousar à sombra para ver a destruição da cidade de Nínive de camarote. Deus fez nascer uma frondosa planta que livrou Jonas do desconforto em que se encontrava. No dia seguinte a planta secou, tirando-o do “bem-bom” e por causa disso praguejou e preferiu a morte por causa desse pequeno infortúnio, tudo isso porque estava irado por Deus não ter destruído a cidade, pois o povo se arrependeu de seus pecados????? Em minha conjectura assim pensou Jonas: “POXA VIDA, DEPOIS DE TUDO QUE EU SOFRI PARA QUE ESSE POVO NÃO FOSSE DESTRUÍDO E QUANDO EU CONCORDO EM CUMPRIR SUA VONTADE, VOCÊ VEM ME DIZER QUE NÃO VAI DESTRUI-LOS MAIS”????

Qual é a nossa missão? Não é levar a redenção dos pecados por meio da Palavra de Deus? Jonas perdeu o foco do Senhor, pois estava na zona do conforto ministerial. Já sou profeta, já sou pastor, já sou levita, já gravei CD, já sou crente a milhares de anos, conheço profundamente a palavra ao que não preciso ir mais além, dizem.

Quantos se desviam, ou rebelam-se contra sua liderança porque receberam cuidados nos dias da consolidação da fé e passado o período da lapidação, do treinamento, quando chega a hora do trabalho, quando recebem o comando para cumprir o “ide”, preferem a morte, a quebra de aliança, a rebeldia contra o líder… NADA MUDOU!!!! Sabe por quê? Estes são os valores de quem vive dentro de si mesmos, em busca de seus próprios sonhos, daqueles que no trono de seu coração está assentado o seu próprio EU. “Deus para mim é uma fonte, um refúgio para realização dos MEUS sonhos, da MINHA vontade”, fomentam.

Isso acontece também porque muitas igrejas perderam o foco e líderes perceberam que a quantidade atrai crescimento financeiro do ministério e focam seus trabalhos em saciar a vontade do coração do homem e consolidam marionetes que buscam a vontade própria e dão tudo que tem para ter mais…

Cadê a obra? Onde está o ministério? As pessoas perderam o amor ao próximo. Irmãos em Cristo se tornam inimigos ferozes ao menor desacordo de idéias. Você pode discordar do seu irmão sem perder o seu amor por ele e o discordado, deve ter uma mente aberta para discutir, em amor, os seus pontos de vista e dos outros.

Ao invés disso “lutam” entre si nos bastidores da congregação, fomentando a discórdia, o desamor, a divisão na igreja. Diante de todos usam uma máscara de santidade e amor ao próximo; “eu te amo meu irmão”, debaixo dela há um rosto desfigurado de hipocrisia e falsidade.

Travam verdadeiras disputas internas, por posição ou auto-afirmação diante do líder, a qualquer preço.

Nenhum preço é tão alto quanto o que fez Jesus na cruz! Portanto, saiba que o seu esforço é pouco, seu árduo trabalho é pouco, sua luta é pouca, perto do feito de Cristo. Ele não nasceu, sofreu, morreu e ressuscitou só por você, mas por toda a humanidade, ame seu irmão.

“Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?” I Jo 4:20

Não queremos formar uma geração de mentirosos, pois o diabo é pai da mentira… Não entreguemos a nossa geração ao maligno!!!! Não façamos como Jonas, que se aprontou, mas fugiu do Senhor, da sua responsabilidade, pois se tornou egoísta por entrar na zona do conforto. (Jn 1.3)