A Inclusão do aluno com necessidades especiais – Epiléticos.

O artigo visa colaborar com as instituições educativas, contribuindo para o acesso e o bem-estar do aluno epilético.
O aluno portador da epilepsia é um caso especial e que exige conhecimento quanto aos cuidados e como lidar com situações provenientes das crises convulsivas.
O preconceito ainda é muito grande em relação ao epilético. Muitos acreditam, por ignorância e preconceito que é uma doença transmissível.
A escola precisa esclareça com palestras ou seminários o que é como lidar em situações de crises e o mais importante, que é uma doença neurológica.

COMO PROMOVER A INCLUSÃO ESCOLAR, ENFRENTANDO AS MUDANÇAS PROPOSTAS PELO PARADIGMA DA INCLUSÃO

Antes de nada devemos entender que inclusão é a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar com pessoas diferentes de nós. A educação inclusiva acolhe todas as pessoas, sem exceção. É para o estudante com deficiência física ou mental, para os superdotados, todas as minorias e para a criança que é discriminada por qualquer outro motivo.