Você quer escrever. Mas sabe como?

Conheço gente que tem dificuldade para escrever um bilhete. E não estou falando de pessoas sem estudo, sem cultura.

Mesmo quem tem cultura pode ter problemas para transformar idéias, pensamentos e fatos em linguagem escrita.

Não sou professor de literatura, muito menos psicólogo para tentar decifrar o motivo deste tipo de bloqueio. Mas sei que é possível aprender.

Se você tem este tipo de problema, saiba que – em primeiro lugar – não está sozinho. Escrever é complicado para muita gente. Em segundo lugar, a boa notícia é que há como melhorar a escrita. E chegar a um bom resultado.

É preciso ler

Sabe porque algumas pessoas não aprendem a falar? Porque não escutam. Não é possível aprender a falar se não se ouve.

Da mesma forma, não é possível aprender a escrever sem ler.

Lembra quando você estava na escola? Bem, talvez ainda esteja. Aquela simpática professora de português mandava você ler, é ou não é? Você pensava que era só pra “encher linguiça”. Mas não. Ela queria realmente que você aprendesse. E você nem sequer leu o primeiro capítulo de nenhum dos livros que ela recomendou…

Ou leu. Mas não deu muita bola. Copiou o trabalho do companheiro “nerd” e boa.

Enfim, seja lá qual for a sua situação, para saber como escrever é preciso ler.  E não é ler qualquer coisa. Escolher bem o que se vai ler pode economizar muito tempo, além de enriquecer o vocabulário.

Não vá você pensar que deve ler apenas os “grandes clássicos”. De preferência leia algo que você goste. Desde que não restrinja a leitura à página de esportes e policial. Leia bons livros, jornais, revistas.

Jornalistas, tanto repórteres como colunistas, são obrigados a seguir regras. Lendo seus artigos e reportagens, sem querer você assimila as regras.

Bons autores de livros passam para o papel seus estilos, além de descrever cenas completas do cotidiano, estimulando sua criatividade.

Enfim, leia leia e leia mais. E vá praticando.

Além de ler, treinar

Você pode, por exemplo, após ler algo, tentar relatar o que leu com suas próprias palavras. Por escrito, é claro. Pense em como contaria a história verbalmente (falando). Digamos que você vá contar a um amigo que leu este artigo. Seria mais ou menos assim:

“Cara, li um negócio ontem na internet… Um cara que escreve bem pra caramba (essa é legal, diga a verdade…) postou sobre escrever, e acho que dá pra eu aprender, rapaz! Vou ver se acho mais alguma coisa, sei lá… um curso pra treinar e tal…”

Digamos que você fosse escrever o mesmo relato, agora não mais para o teu amigo, e sim para o teu patrão (brrr…). Não é necessário complicar muito, nem usar linguagem rebuscada. Vamos ver como ficaria uma nota para o chefão:

“Asdrúbal

Ontem li um artigo interessante na internet. Justamente sobre o meu problema com a escrita. O artigo diz que é possível aprender, e é o que vou fazer. Acredito que até mesmo pela internet posso conseguir um curso, algo assim.”

Repare no último texto. Um só parágrafo, com frases curtas. Sem palavras rebuscadas. Indo direto ao assunto, sem dar voltas.

Enfim, pode não ser uma caminhada fácil, mas é preciso dar o primeiro passo. Se você quer (ou precisa) aprender a escrever, será necessário fazer o esforço. Não há “fórmula milagrosa”. É preciso treinar o cérebro para a atividade. Como em qualquer outra coisa que se queira aprender.

Há muita ajuda online também. A própria busca do Google, por exemplo, pode lhe dar uma idéia de como uma palavra deve ser escrita. Dicionários online, sites com dicas sobre livros, gramática, ortografia e assim por diante.