Franquias para dentistas recém-formados

O alcance à saúde bucal vem aumentando no país. De acordo com o Ministério da Saúde, só pelo Programa Brasil Sorridente, 165,5 milhões de brazucas obtiveram acesso a tratamentos dentários de 2002 a Janeiro de 2012.

De olho neste setor emergente e na capacidade de aquisição da classe C, novos empresários tem apostado em franchising odontológico. “Esse segmento é crescente e promissor para o setor, uma vez que estas clínicas disponibilizam produtos mais alcançáveis a camadas da população que, anteriormente, não tinham como efetuar tratamento odontológico”, diz Ana Vecchi, diretora da Vecchi && Ancona Consulting, empresa especializada em franchising. “Para o franqueado, este é um ótimo filão. Isso porque para um dentista formar clientela leva, em geral cinco anos. Investindo numa franquia de nome reconhecido, ele adquire agilidade”, explica.

Neste tipo de business, de acordo com Ana, os pacientes desejam um dentista com experiência. O consumidor acredita no nome que o dentista apresente, conta. “O profissional que monta uma franquia reconhecida no mercado é favorecido, mesmo que tenha acabado de se formar. Como empreendedor, ele vai aprender a gerir o seu consultório com a vivência do franqueador e conseguir uma lista de clientes de maneira mais ágil”, conta.

Odonto Company abraça sitema de franchising

A marca, a qual está no ramo há muito tempo, transformou-se em rede de franquias em 2011. Num ano, o dentista e comandante da OdontoCompany, Paulo Zahr, já comercializou 22 franquias de sua empresa. “Atualmente, o empresário tem que investir de R$ 150 mil a R$ 200 mil pra abrir uma franquia da OdontoCompany. O sucesso do dinheiro investido normalmente é feito em 18 a 24 meses”, afirma. Um bom exemplo é a Rio Dente, opção de dentista na Tijuca, Rio de Janeiro.

O alvo da Odonto é a classe C. Para buscar essa nova classe média, a marca proporciona para os pacientes a opção de dividir os pagamentos em até quarenta e oito vezes sem juros. “Desejamos parceiros que possam dar essa mesma característica para os franqueados. Corporações que sejam nossas parceiras nas facilidades para pagamento”, fala.

Por dia, são atendidos por volta de 120 pacientes por clínica – que estão divididos entre vinte e duas franquias e 3 consultórios próprios. As unidades estão posicionadas em cidades dos estados da Bahia, Goiás, Minas Gerais, Paraná, São Paulo, Pernambuco e Rio. Todas as unidades promovem atendimentos os quais vão desde obturação e canal a claramento e aplicação de dispositivos ortodôntico.

Para os aqules que acabaram de se formar, a rede tem um novo exemplar de fornecimento de franchising. “Novos dentistas podem obter uma franquia mesmo sem ter de pagar a tarifa de franchising. Tal modelo foi mostrado no Congresso Internacional de Odontologia em São Paulo, realizado de 28 a 31 de janeiro”, diz Zahr.

GOU Clínicas tem como alvo os aparelhos ortodônticos

Rede especialista em dispositivos ortodônticos, a GOU está no setor faz 2 anos. A idéia nasceu da parceria do empresário Luiz Carlos Carrano com o doutor Paulo Gehrke. “Antes de lançar a idéia, passamos dois anos coordenando a clínica que seria exemplar para o sistema GOU Clínicas”, conta Carrano.

Com 2 anos no ramo de franchising, a empresa tem 26 unidades em funcionamento. Cada clínica fatura por mês de R$ 85 mil a R$ 220 mil. Os preços podem variar segundo o porte do consultório. No geral, são atendidos de 1.500 a 3.500 clientes mensalmente.

Também mirando a classe C, a GOU Clínicas oferece aos clientes 1 plano que dá direito a 17 atendimentos durante o ano. O pagamento da manutenção do aparelho ortodôntico é feito uma vez ao mês.

Conforme Carrano, o empresário vai investir de R$ 130 mil a R$ 250 mil pra montar uma unidade da GOU. O período aproximado visando sucesso do invesitmento é de dezessete meses.