A ESTAGNADA SOCIEDADE BRASILEIRA

A ESTAGNADA SOCIEDADE BRASILEIRA

Nonato Guimarães Costa

A formação da sociedade brasileira, ao longo de sua História se deu (mediante uma concepção marxista) a partir da sujeição do povo aos interesses da classe dominante.

Em todo o período colonial, a classe social era dividida em senhores (detentores dos meios de produção) e escravos (os que não eram donos nem de si próprio). Nesse período as eleições estavam restritas as câmaras municipais, que agiam conforme os interesses dos senhores de cada localidade. O colégio eleitoral e, conseqüentemente o poder político eram restritos as pessoas que tinham posse.

Durante o império, após a independência, o Estado passou a se preocupar com a consciência Nacional, criando o Colégio Pedro II, o Arquivo Público e o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro que objetivavam criar uma visão que atendiam aos interesses das classes dominantes, ou seja, enalteciam o governo imperial brasileiro.

Após a abolição da escravidão começou a se formar uma classe proletária subdividida em dois grupos: os que habitavam o mundo da rua – “os vadios” – e os que ocupavam o mundo das fábricas, esses e aqueles eram imigrantes pobres, libertos ou trabalhadores rurais.

A transição entre Império e República foi uma fase que buscou atender os interesses dos cafeicultores paulistas e militares, contraditório aos ideais Republicanos, onde o povo deveria ser protagonista de um processo, mas, que na verdade foram meros coadjuvantes. No dizer de José Murilo de Carvalho, a transição foi apenas assistida pelo povo de forma “bestializada”.

Na Educação não foi diferente, da mesma forma que durante o período imperial o Instituto Histórico e Geográfico brasileiro serviu para enaltecer os interesses imperiais (burgueses) os livros didáticos usados nas escolas no século XX, serviram também para atender os interesses da ideologia dominante.

A classe operária passou a ser o alvo do Estado, utilizando das disciplinas de comunicação e expressão, Educação Moral e Cívica e Organização Social e Política brasileira como poderosíssimos instrumentos de inculcação de classes. A visão do trabalho era a essência da consciência de classe.

A imagem que esses livros didáticos passavam para os alunos era de que embora o trabalho fosse cansativo, penoso, inferior e manual, levava a sociedade ao progresso, com esse discurso, sustentado a partir de visões e representações, visavam o conformismo, a obediência e o respeito.

O ensino profissionalizante passou a ser priorizado pelo governo pondo a educação profissionalizante direcionada a qualificar o proletariado para o serviço fabril.

A imagem do trabalho injusto seria apenas o trabalho escravo, mas a partir da abolição todos ficaram iguais, não sendo mais um trabalho injusto, camuflando a realidade que foi a formação de uma grossa camada de homens livres presos a submissão a um patrão e, na pior das hipóteses, uma nova classe social que habitavam as futuras fábricas.

A sociedade brasileira, em seu processo histórico, nasce da escravidão versus classe senhorial, que forma, a partir do período de industrialização do território brasileiro, uma nova divisão inspirada nessa antiga luta de classe, mas agora formada por industriais (podendo ser a antiga camada senhorial) e o operariado (podendo ser os escravos libertos).