História de Pescador | Lucas 5.4,5

Era dia no lago de Genesaré. Lavávamos as nossas redes e nossos barcos estavam atracados na praia. Estávamos exaustos, havíamos trabalho a noite toda e não pescamos nada.

Avistamos um homem que caminhava em meio a um alvoroço. Pessoas o apertavam como se quisessem algo. Aproximando-se de nós ele disse a mim: Por favor, entre no barco, vamos nos afastar um pouco da praia. Mesmo sem entender, resolvi atender o pedido. Ele se assentou e começou a falar a multidão.

As palavras daquele homem me chamaram a atenção. Não eram frases soltas de um discurso improvisado e nem eram frases muito bem colocadas de um discurso ensaiado. Eram ensinamentos. Lembrei-me que dia desses havia ouvido sobre Jesus, um homem que ensinava sobre a palavra de Deus. Pensei: Seria este homem? Que privilégio O receber em meu barco. Eu estava maravilhado!

O homem acabou o seu ensino e novamente dirigiu-me a palavra: Faze-te ao largo, e lance as suas redes para pescar (Lc.5.4). Até tentei resistir dizendo que havia trabalhado a noite toda sem ter resultado. Mas por fim, chamei-O de Mestre e disse: Firmado em tuas palavras lançarei as redes. Eu lancei as redes não por insistência, mas por obediência e o resultado me espantou. Desta vez elas ficaram tão cheias que começaram a rasgar-se! Fizemos gestos pedindo ajuda aos companheiros, que vieram em outro barco. Rapidamente retiramos os peixes e quando nos demos conta os barcos estavam lotados e quase se afundaram.

Caí de joelhos diante do homem. Minha certeza era: Este é Jesus, o Filho de Deus, aquele de quem as profecias falavam. Disse eu: Senhor, afasta-te de mim, porque sou pecador. Estava admirado e pasmo como meus companheiros: Tiago e João, os filhos Zebedeu.

Entretanto ele olhou para nós com um olhar que penetravam nossos corações e proferiu estas palavras: “Não temais; doravante serás pescador de homens.” (Lc.5.10). Chegando a praia nossa reação foi conjunta. Arrastamos os barcos e largamos tudo para segui-Lo.

A lição que aprendi: Na presença de Jesus, não existe enfado que possa impedir de obedecê-Lo, pois ele nos ordena para que grandes conquistas sejam realizadas.”

Rev. Daniel Garcia dos Santos