Petrópolis: Décadas de Decadência ll

O auge da ruína de Petrópolis foi no governo Rubens Bomtempo. Médico, mas com insaciável avidez pelo Poder, investiu seus 8 anos de governo municipal em obras faraônicas, evidentemente desviando verbas de outros setores, principalmente da saúde pública. Também construiu inexpressivas praças, estreitou ruas principais da cidade, distribuiu banquinhos pelas calçadas, pensando conseguir assim, destacar-se políticamente a nível estadual como exemplificação da administração pública, e, quem sabe, chegar a Governador. Inconsequente, Bomtempo promoveu um táxista a construtor, um auxiliar administrativo a arquiteto, e juntos criaram a Construtrinta Empreiteira e Pavimentações Ltda., através de licitações fraudolentas “construiram”, com verbas do Município, Estado e União, entre outras obras públicas, os 52 Postos de Saúde da Família (PSFs) do Município, é visível as incorreções estruturais mesmo para leigos em Engenharia civil, desnivelamento de lages, vigas, pisos, e telhados sem cálculos para caimento, porisso goteiras e infiltrações em todos os Postos.

Bomtempo deixou também um legado de corrupções, negociatas e favoritismos em todas as Secretarias Municipais, suas articulações possibilitaram a empresários da construção civil, de movelaria, confecções de roupas, serem empossados no cargo de Secretário (a) Municipal de Saúde, mesmo sendo totalmente leigos, e desvinculados do universo da Medicina, foram 8 ao todo, entre eles apenas um competente médico, Dr: João Wernek, mas, avesso a falcatruas, Wernek permaneceu no cargo apenas 6 meses. Esses desmandos administrativos óbviamente causou enorme fragmentação no relacionamento profissional entre os médicos, difícilmente algum deles aceitaria, atualmente, aceitar assumir a Pasta da saúde pública, sabendo do enorme comprometimento com a corrupção em que setores da administração pública de Petrópolis está, a anos, envolvida.

Ao deixar a Prefeitura de Petrópolis em dezembro/2008, o fanfarrão Rubens Bomtempo encontrou abrigo *nas tetas* do governo estadual, diretor de *alguma coisa* no Cais do Porto/RJ. Patético, mas no atual panorama político, é comum essa troca de favores entre governantes, pois todos eles, sem excessão, seja a nível municipal, estadual, e principalmente federal, gradativamente estão envolvidos em nebulosas negociatas, orquestradas pelos detentores do capital internacional, para modificarem a ordem política, financeira e social no Mundo. Ao naufragar o modelo neo-liberal idealizado pelos 8 países mais ricos do Mundo, modelo esse importado para o Brasil por Collor de Melo e seus *descamisados*, FHC e suas privatizações, Lula e sua *política de dominação*, a nova ordem é *salve-se quem puder*, Lula já optou por novos rumos, aliando-se a Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã. Tirem suas conclusões o porque de tanto empenho do Presidente Lula em eleger sua sucessora. Desculpem a franqueza, mas todos nós temos alguma culpa por esse estado de coisas!