Planejar e Avaliar: Organização educacional

AUTORAS: IRENE VIEIRA PAULA  MORAES

ANGELA CRISTINA SIGARINE  BASTOS

BENILCE  MARIA OLIVEIRA  MIRANDA

RESUMO

Este artigo relata  que  vamos  desenvolver  a  qual  pretende ser  uma  análise situada  na  Escola Pública  brasileira  neste início  de  década,  em  que  os  problemas  educacionais  estão  estreitamente  relacionados à situação  conturbada   em  que  se  encontra  todo País,nos  planos sócio-econômico e  cultural.Falar  da  situação  da  escola  pública implica  pensar  nos  milhões de crianças  e  jovens  das  camadas  populares que a  buscam e  que não   têm tido oportunidades de  concretizar  suas  experiências.O plano de disciplina é um instrumento para sistematizar a ação concreta do professor, a fim de que os objetivos sejam atingidos. É a previsão   dos conhecimentos  e  conteúdos  que  serão  desenvolvidos  na  sala  de aula,a  definição dos  objetivos  mais  importantes,assim  como  a  seleção  dos melhores  procedimentos e técnicas  de  ensino,  como também,  dos recursos  humanos  e materiais que  serão  usados  para  um melhor  ensino e aprendizagem. Propõe  a  determinação  das  mais  eficazes técnicas  e  instrumentos   de avaliação  para  verificar o  alcance  dos  objetivos  em   relação à  aprendizagem.

PALAVRAS – CHAVE: Planejamento, Avaliação, Qualidade.

INTRODUÇÃO

Portanto  queremos pensar  em  uma escola  pública transformadora,que  possa  dar  conta  das  expectativas dessa  maioria  da  população  brasileira e, dentro de  suas limitações,contribua  para  a transformação da  nossa  sociedade,   com  seu  trabalho  e  esforço, a  menos  beneficiada.Isto  porque  apenas  uma  minoria  goza  dos privilégios  e benesses que  têm  aumentado  a  cada  dia.Neste  artigo  o  tema central  de  nossa reflexão é  o planejar, avaliar e a qualidade dos  conteúdos  selecionados,  da  qual  são  figuras  importantes o  coordenador  e  o professor. Para  melhor  organização didática  abordamos  três  pontos:O  planejamento, o contexto  que  se dá  a avaliação, o papel  do  coordenador  e  do  professor nesse  contexto  e  as  indicações  para  o  trabalho  de  avaliação  a  ser desenvolvido por  estes  dois tipos de profissionais.Pois os professores devem planejar as suas disciplinas a partir da filosofia educacional da escola, dos objetivos específicos do curso, e dos objetivos da clientela, para atender estes aspectos fundamentais favorecendo, deste modo, um melhor e eficaz ensino.A  avaliação  é  um  processo  que  se dá  no   bojo  de  um  processo  mais amplo, que  é  toda  atividade  da  escola. É  impossível  pensar  na avaliação sem  nos  fazermos  a  seguinte  perguntas:Qual  a função  da  escola  e  o  que queremos  com  ela?Quem  são  os  alunos com  os  quais vamos  trabalhar ? Que  características  têm? Que concepção  sobre  o  processo  da  socialização e / ou  construção do conhecimento  embasam  nosso  trabalho  pedagógico?

Poderíamos formular  muitas  outras  perguntas,  mas cremos  que  estas  são básicas.Para respondermos  à   primeira  pergunta, bastaria  indagarmos  a  um pai de  qualquer  periferia:

Santanna(1995),relaciona  a  importância  do planejamento para  o  professor, ressaltando  que  este:

“ajuda o professor a definir os objetivos que atendam os reais interesses dos alunos”;

“possibilita ao professor selecionar e organizar os conteúdos mais significativos para seus alunos”;

“facilita a organização dos conteúdos de forma lógica, obedecendo à estrutura da disciplina”;

“ajuda o professor a selecionar os melhores procedimentos e os recursos, para desencadear um ensino mais eficiente, orientando o professor no como e com que deve agir”;

“ajuda o professor a agir com mais segurança na sala de aula”;

“o professor evita a improvisação com, a repetição e a rotina no ensino”;

“facilita uma melhor integração com as mais diversas experiências de aprendizagem”;

“facilita a integração e a continuidade de ensino”;

“ajuda a ter uma visão global de toda a ação docente e discente”;

“ajuda o professor e os alunos a tomarem decisões de forma cooperativa e participativa”.

De acordo com Santanna (1995), existem algumas características que devem ser   contempladas  na  elaboração de  todo  e qualquer  plano  de  disciplina. A objetividade   deve caracterizar todo  qualquer  plano. Ser objetivo e  realista para  uma  situação  concreta e determinada, é   um  dado  que todo  e  qualquer  plano  deve  seguir  para uma  realidade  concreta.A clareza  deve  refletir  na determinação das  técnicas, na  determinação  objetiva dos recursos  e na  definição  clara  e  objetiva  do  processo  de  avaliação.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Considerando todos esses passos, é de fundamental importância, a partir do plano, que os alunos possam verificar e perceber com clareza o porquê das avaliações, de que forma serão avaliados e quais os critérios que serão adotados na avaliação da sua aprendizagem.

REFERÊNCIAS     BIBLIOGRÁFICAS

Santanna,Ilza  M.e  Menegolla.” Por  que  Planejar”? “ Como  Planejar”?

RODRIGUES,  N. A  supervisão  na escola  no  contexto  de  uma  política  educacional. In: ENCONTRO  NACIONAL  DE  SUPERVISORES  EDUCACIONAIS<6.  Belém,  ASEI,1983.