A IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR

A IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR

Profº Raul Enrique Cuore Cuore

RESUMO

Este trabalho trata da forma de implantação das Tecnologias da Informação na Escola, como estas tecnologias podem ajudar ao aluno e ao professor e os cuidados que devem ser tomados para que a informática realmente se torne uma ferramenta de ajuda no ambiente escolar.

Palavras-chave: Escola; Informática; Tecnologia.

1 INTRODUÇÃO

Com a abertura do mercado no inicio da década de noventa o Brasil vem, cada vez mais, informatizando todos os setores da sociedade e a necessidade da implantação desta tecnologia não poderia deixar de fora a Escola.

Atualmente o maior desafio é promover a chamada “inclusão digital” em todas as Escolas. As salas equipadas com computadores alcançam um índice bastante aceitável no setor de ensino privado. Já no ensino publico a quantidade de equipamentos disponíveis para o aluno e os professores são insuficientes.

A instalação indiscriminada de equipamentos não resolverá o problema, pois alem da parte física propriamente dita terá que acontecer o treinamento de pessoal técnico e dos professores a fim de tirar o melhor proveito destas tecnologias na sala de aula.

2 O DESAFIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM SALA DE AULA

Quando as fronteiras do Brasil se abriram para receber as tecnologias da informação no inicio da década de 1990 se falava que uma revolução estava em andamento, pois o mundo como era conhecido não seria mais o mesmo.

Inúmeras teorias surgiram de como a informática poderia ser aplicada em todos os setores da sociedade e principalmente como seria útil para a educação. Dizia-se que o computador viria até substituir o professor na sala de aula.

Passados alguns anos esta empolgação deu lugar à percepção de que não seria bem assim. A informática é, sem duvida, uma ferramenta de apoio extraordinária para o professor, dando meios para inserir nas suas aulas uma grande variedade de efeitos visuais e sonoros, chamados de efeitos hipertextuais que, sem duvida enriquecem sobremaneira a exposição do tema tratado em sala de aula, porém o professor é, e sempre será indispensável.

O desafio agora será treinar o profissional da educação para fazer a informática a sua aliada e quebrar resistências que ainda existem nestes profissionais quanto ao uso e eficácia destas tecnologias no ensino integrando-as com os métodos convencionais.

O papel do professor é orientar o aluno para o correto uso da informática a fim de enriquecer o seu conhecimento, pois estas tecnologias têm uma parte sombria, principalmente a Internet, que é sem dúvida a maior fonte de conhecimento a qual o homem já teve acesso, mais também onde circula todo tipo de material de qualidade duvidosa e até criminosa.

3 A INCLUSÃO DIGITAL PARA TODOS

A chamada “inclusão digital” pode ser de fato uma inclusão, porém pode tornar-se uma forma de exclusão.

Os estabelecimentos de ensino privado estão cada vez mais, montando salas de informática e contratando técnicos e professores para o funcionamento das mesmas. Enquanto o técnico cuida da infra-estrutura, montagem e manutenção dos equipamentos o professor cuida da orientação dos alunos quanto ao correto uso educacional do conteúdo dos computadores instalados na instituição.

Sem duvida este contato com a tecnologia da informação prepara o aluno, desde o ensino fundamental para o contato com o mundo digital, preparando-o para o mercado de trabalho e as mais diversas atividades que o acompanharão durante a vida.

Nos estabelecimentos de ensino publico a realidade é outra. Não são todas as Escolas que possuem salas de informática e, quando estas existem são montadas, na sua maioria, com equipamentos obsoletos e uma grande deficiência de profissionais técnicos e orientadores.

Este fato retarda a o contato do aluno com a informática privando-o no futuro de concorrer de igual para igual com outros alunos egressos de escolas particulares.

4 O USO DO SOFTWARE EDUCATIVO

Antigamente os Softwares educativos resumiam-se a meros joguinhos que ao principio se tornavam interessantes para o aluno, mais após algum tempo eram abandonados, pois ficavam repetitivos.

Atualmente o material desenvolvido nos vários campos da educação prima pela interatividade e como diz Cysneiros (2004), “os atuais Softwares educacionais procuram provocar a criatividade, experimentação e adaptação a cada situação nova que cada grupo de alunos enfrenta”.

O objetivo do Software educativo deve ser desenvolver no aluno o raciocínio e a curiosidade para torná-los cada vez mais cidadãos do mundo, do País, da cidade, do bairro e integrá-los com a sociedade da qual fazem parte.

Haverá então, a necessidade de professores cada vez mais preparados e sensíveis para lidar com a complexidade destas novas tecnologias e o ato de ensinar e educar.

5 CONCLUSÃO

Podemos perceber então que a simples instalação indiscriminada de equipamentos e softwares nas Escolas não é suficiente para garantir uma melhoria significativa na educação.

Este procedimento deve vir acompanhado de um cuidadoso planejamento e gerenciamento, envolvendo diretores, gestores, professores, pais e alunos com o intuito de garantir que os resultados para a formação do futuro cidadão sejam os melhores possíveis pois, garantindo uma formação correta estaremos promovendo um desenvolvimento maior para nossa sociedade nas gerações futuras e desta maneira combatendo as desigualdades sociais.

6 REFERÊNCIAS

CYSNEIROS, Paulo Gileno. Professores e Máquinas: Uma Concepção de Informática na Educação. São Paulo: Senac, 2004. 176 p