CONCEITOS CONTEMPORÂNEOS DA EDUCAÇÃO: TEORÍA ANARQUISTA

Conceitos contemporâneos da educação: teoría anarquista

Profº Raul Enrique Cuore Cuore

Resumo

Dentro dos conceitos contemporâneos da educação podem-se destacar as linhas de pensamento progressistas, tendência esta seguida por grande número de educadores no Brasil. Suas principais características são: autonomia, espírito de critica, democracia plena, aproximação de classes, reflexão, para citar algumas. A teoria anarquista da educação tem nos seus princípios muitas das características descritas anteriormente, isto se deve principalmente a influencia das culturas européias que colonizaram o Brasil no final do século XIX e princípios de século XX, e que trouxeram na sua bagagem, os princípios anarquistas para as Américas.

Palavras-chave: Anarquia; Educação; Progressista.

1 introdução

A corrente anarquista de educação é, atualmente um modelo que se encontra em total descompasso com os propósitos inerentes ao atual conceito de sociedade. Existe uma grande dificuldade de aplicabilidade dos seus preceitos, devido a que representa um motivo de preocupação para o sistema social, político e econômico do Brasil, que tem suas raízes no capitalismo.

O movimento anárquico, que é fruto do próprio capitalismo, nasce como uma alternativa que por muitos é chamada de utópica, mas que ao longo do tempo vem seduzindo vários pensadores. Diversas correntes pedagógicas tentaram mascarar o anarquismo presente nas suas idéias com rótulos menos agressivos e passiveis de aceitação pela sociedade.

As tendências educacionais contemporâneas como a libertadora, libertária e crítico-social estão impregnadas pela essência dos ideais anarquistas. Quando o professor diz estar preparando o aluno para ser crítico, contestador, reflexivo, autônomo e independente demonstra claramente o seu pensamento anarquista. Nos próprios Planos Nacionais para a Educação e nas Propostas Curriculares Estaduais podemos identificar estes traços também.

2 ANARQUIA E/OU ANARQUISMO

Quando se pensa no termo anarquia e/ou anarquismo imediatamente este é relacionado com desordem, caos e desgoverno, dando uma impressão de instabilidade. Analisando a anarquia como movimento social pode-se perceber que se trata da ação libertadora do homem sobre o próprio homem, onde o governo deixa de existir como entidade coercitiva e passa a ser a ação livre de todos os cidadãos.

Anarquismo é a teoria libertária baseada na ausência do estado. Conforme os conceitos fornecidos pela enciclopédia virtual Wikipédia (2008);

“Anarquismo é uma palavra que deriva da raiz grega avaρχιa – an (não, sem) e archê (governador) – e que designa um termo amplo que abrange desde teorias políticas a movimentos sociais que advogam a abolição do capitalismo e do Estado enquanto autoridade imposta e detentora do monopólio do uso da força.”.

De um modo geral os anarquistas são contra qualquer tipo de ordem hierárquica que não seja livremente aceita, defendendo tipos de organizações horizontais e libertárias com total ausência de coerção, porém não ausência da ordem.

Ao longo da evolução do homem é possível identificar manifestações primitivas da anarquia. Os embates pela liberdade individual o coletiva foram diversos, passando desde as revoltas na Grécia e Roma, pelo Renascimento e seus pensadores, a Revolução Francesa, a Revolução Americana e a Revolução Russa, para citar alguns acontecimentos. Hoje os mesmos ideais de liberdade são explorados pelos movimentos sociais frente à postura dos governos capitalistas.

3 a TEORIA ANARQUICA E A EDUCAÇÃO

Em 1861 na França foram feitas as primeiras tentativas de aplicação dos princípios anarquistas na educação. Foi o inicio do que hoje é denominado de Pedagogia Libertária. A dinâmica educacional era revolucionária para a época, mas ao contrário do que se possa pensar as regras existiam.

No Brasil a Pedagogia Libertária do inicio do século XX, também conhecida como Escola Moderna foi fundamental, contribuindo para a educação, em especial a dos trabalhadores urbanos. Durante a década de 1930 surge a Escola Nova baseada em ideais modernistas e anárquicos, sendo liderada por vários intelectuais que mantinham os desejos de uma educação universal, gratuita e laica.

Hoje o maior representante da pedagogia Libertária no Brasil é Paulo Freire e o seu discípulo Moacir Gadotti. Tendências como: pedagógica progressista, progressista libertadora ou dialética, progressista libertária, progressista crítico-social dos conteúdos, carregam traços inegáveis dos princípios anarquistas.

Reforçando o que foi descrito acerca das similaridades entre as tendências atuais e os preceitos anárquicos García (1989) diz; “As tendências progressistas libertadora e libertária têm, em comum, a defesa da autogestão pedagógica e o anti-autoritarismo. A escola libertadora vincula a educação à luta e organização de classe do oprimido.”.

4 Conclusão

O anarquismo parece ser uma condição nata do homem desde o inicio da civilização. Sempre houve um anseio de liberdade, seja do seu senhor, seja do sistema de governo que o oprime de alguma forma.

A ideologia anarquista foi e é responsável pela resistência natural do homem à governabilidade, seja esta representada pelo Estado, pela economia, educação, entre outros. Por ser visto como um movimento de desordem, hoje o anarquismo se reveste de formas mais sutis e encontra-se presente na maioria dos movimentos sociais, organizações estudantis e nas tendências educacionais.

Hoje a educação no Brasil caminha para as concepções ditas progressistas, onde se encontra forte presença dos ideais anarquistas, representados principalmente por Educadores como Paulo Freire que permeiam o pensamento de grande parte dos profissionais da educação e apresentam alternativas para um desenvolvimento educacional próximo do desejo de libertação e aproximação de classes.

5 referências

GARCIA MORIYÓN, F. Educação Libertária . São Paulo: Francisco Alves, 1989. 488p.

WIKIPÉDIA. Anarquismo. Disponível em: < http://gl.wikipedia.org/wiki/Anarquismo.html>. Acesso em: 20 jul. 2008.