Gestão da Crise

Logo que surgiram os primeiros rumores, atribuí à mídia grande responsabilidade pela crise. Sim, atuamos em vários momentos como “Garotos Propaganda” da mazela econômica. Embora admita que a crise está afetando significativamente o Brasil, o país está reagindo bem às adversidades econômicas. As ações do Governo Brasileiro têm recebido elogios dos líderes de vários países. Não há como negar que o caos financeiro está enfraquecendo as grandes potências e fortalecendo os principais emergentes, como Brasil, Rússia, Índia e China, o chamado BRIC. Digo que este texto não tem nenhum tipo de apologia política.

A situação exige atitude. Recebi recentemente um texto atribuído a Albert Eisntein que parece ter sido escrito ontem. A seguir o conteúdo pra que tire suas conclusões: “Não podemos pretender que as coisas mudem, se sempre fizermos o mesmo. A crise pode ser a melhor benção para ocorrer com as pessoas e países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar superado. Quem atribui a crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que as soluções. A verdadeira crise é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis. Sem crise não há desafios, sem desafios a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há méritos. É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promovê-la, e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la.”

E o Brasil tem demonstrado na prática o que isso quer dizer. Prova disso foi a redução do Imposto Sobre Produtos Industrializados – IPI para veículos novos. A resposta do mercado foi imediata, e enquanto durou a redução, foi a principal fomentadora das vendas do setor. Reação parecida teve os setores da construção civil e de eletrodomésticos, que também receberam o beneficio. Mérito do governo e, principalmente do povo. Cabe a cada pessoa fazer um esforço para superar a própria crise. É por essas e outras ações que o Brasil nunca foi tão bem quisto no mercado internacional. Sem falar no marketing pessoal, do nosso Presidente Lula, que é muito bom. Não há espaço neste momento para paixões partidárias. Discordo totalmente da política paternalista que impera no nosso país. Por outro lado não há como aprovar posições radicais, intransigentes e crônicas de alguns críticos; como a do articulista Diogo Mainardi, da Revista Veja que ganhou projeção principalmente fazendo críticas pessoais ao presidente Lula e se recusando a ver os pontos fortes da gestão.