Matando a vida

Vivemos uma época complicada, onde as exigências pessoais e de trabalho, nos deixam atrelados á diversos compromissos, quase todos ao mesmo tempo, mal nos dá tempo de sincronizar os horários de nossa agenda abarrotada de compromissos.

Temos diversos, exemplos, desde a professora que leciona mais de 35 aulas por semana em uma escola, até aqueles que trabalham mais de 17 horas por dia para manter seus empregos.

Imaginamos que os avanços tecnológicos proporcionariam uma vida mais tranquila às pessoas, mas ocorrer justamente o contrario, e levamos nossas tarefas para casa, onde por vezes carregamos o celular até o banheiro, para ficar “de sobre aviso”, Os computadores, estão em nossas residências nos ajudando a complementar o serviço, que não tivemos tempo de concluir no emprego.

Passamos a acordar mais cedo e dormir mais tarde, tornando-nos escravos de nós mesmos, com uma agenda cheia e por vezes coração vazio.

Nas Férias, as estradas congestionadas, vôos lotados, a falta de tempo e de dialogo, nos torna pessoas hostis, onde por vezes um pneu furado na estrada nos torna agressivo com nossa família que aguarda preocupada dentro do carro.

Que férias são essas? Onde dependendo do momento que você esta atravessando, suas relações com pais, filhos, conjugues , são de pura ira com cobranças ou os usando com escape de seu stress.

O desgaste do trabalho  excessivo, preocupações e ambições  transformam os nervos a flor da pele, e sua “vida” fica toda alterada…Vida?

Muitas pesquisas mostram as diferentes condições que o ser humano tem quando passam por esses períodos de auto e baixo, ocorrem variação de : pressão arterial, ritmo cardíaco, a regulação de neurotransmissores  e o fluxo de diversas substancias químicas do corpo, e etc.

As conseqüências são obvias; o esgotamento físico, insônia, doenças cardíacas estresse, depressão, diabetes ou até mesmo o câncer… Pois é… O corpo que termina pagando as contas.

Estamos matando a vida… Sim a vida no sentido mais amplo da palavra, é a morte de nossa saúde, de nosso bem estar, de nossa individualidade como ser humano.

Kardec, em Obras Póstumas disse: “Cada um pensa em si, antes de pensar nos outros, e quer a sua própria satisfação antes de tudo, cada um procura, naturalmente, se proporcionar essa satisfação, a qualquer preço, e sacrifica, sem escrúpulos, os interesses de outrem, desde as menores coisas até as maiores, na ordem moral como na ordem material; daí todos os antagonismos sociais, todas as lutas, todos os conflitos e todas as misérias, porque cada um quer despojar o seu vizinho”.

A Psicologia, o Espiritismo e a ciência, como um todo, mostram que a solução se encontra na transformação de nós mesmos, em todos os níveis, inclusive no ético-moral. É vital para a modificação de hábitos, acrescentando vida aos nossos dias. A chamada Reforma Íntima deve acompanhar por um processo contínuo de Autoconhecimento (ver questão 919, em O Livro dos Espíritos). Quando uma pessoa não conseguir isso sozinha, ela não deve deixar de procurar a ajuda de amigos e parentes, de um terapeuta especialista, e de Deus.

Estudos embasados em pesquisas experimentais mostram que ao se buscar a verticalidade do relacionamento com a Providência (Deus), o estresse é modificado e administrado dentro dos parâmetros de máxima saúde e capacidade reprodutiva (Fajardo, 1997).

Chico Xavier disse com muita sabedoria: “A paz em nós não resulta de circunstâncias externas e sim da nossa tranqüilidade de consciência no dever cumprido.” Para vencer positivamente o estresse é preciso guardar a paz, tê-la como patrimônio. E esta pacificação interior que é responsável pelo sucesso do “Coping”,

Coping o que é ? O coping é o processo cognitivo utilizado pelos indivíduos para lidar com situações de stress e que inclui os esforços para administrar problemas no seu quotidiano; Ou seja… Para não matar -mos a vida  ,temos de reformular nosso cotidiano, remanejar  nossas prioridades,  amar ao próximo com mais afinco, e  principalmente…Procurar  e nos relacionar com Deus.

Referência Bibliográfica

  • Fajardo, Augusto e cols. Qualidade de vida com saúde total. Vila Prudente: Editora Health Ltda, 1997. (Pág. 403: artigo “Como enfrentar o estresse” do Dr. Irineu César Silveira dos Reis).
  • Antoniazzi, Adriane Scomazzon; O conceito de coping: uma revisão teórica http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-294X1998000200006&script=sci_arttext