Travesseiro da Nasa: das viagens espaciais para o conforto do seu sono

Mais de três décadas atrás, um material foi criado pela NASA feito a partir de poliuretano sintético. Este material foi depois utilizado na fabricação de travesseiros de espuma – que vieram a ficar conhecidos como “travesseiros da NASA”.

Sem dúvida você já ouviu falar que a NASA desenvolveu uma espuma especial, também conhecida como viscoelástica. Imediatamente surgem na sua cabeça imagens de astronautas dormindo num ambiente de gravidade zero. De fato, esta tecnologia foi desenvolvida no Ames Research Center da NASA no início dosa anos setenta, com o propósito de aliviar os astronautas das intensas forças gravitacionais que eles experimentaram durante a decolagem. No início das viagens espaciais tripuladas, este material se mostrou ser de grande ajuda para os astronautas. Os astronautas são confrontados com algo conhecido como força G. Esta força traz enormes cargas de pressão extra sobre o corpo. Os engenheiros da NASA estavam constantemente buscando um material que pudesse ajudar e apoiar os astronautas com relação a esta força G.

Os engenheiros da NASA logo perceberam, porém que além de ser difícil de fabricar, o material tinha problemas de durabilidade. E, curiosamente, nunca chegou a ser usado no programa espacial americano, mas foi subsequentemente usado em aplicações médicas. A utilização em superfícies de sono foi um desenvolvimento posterior quando a indústria percebeu que novo material encontrado estava exatamente o que estavam procurando.

A chegada ao mercado consumidor só seu deu 20 anos após a descoberta deste material, que passou então a ser utilizado para aplicações comerciais. E assim surgiu toda uma linha de produtos de espuma, tais como colchões, travesseiros e apoios em geral.

Todos eles foram desenvolvidos com o objetivo principal de aliviar pontos de pressão e dar suporte ao corpo, quando a pessoa está dormindo.

O travesseiro usual que é usado pela maioria das pessoas provou não ser bom o suficiente, pois fornece apenas um apoio mínimo e também perde sua forma, em consequência dos movimentos noturnos que uma pessoa realiza enquanto dorme. Este era considerado um tipo de situação semelhante à enfrentada pelos astronautas que experimentaram os mesmos princípios de pressão e de conformidade aos seus corpos.

A solução estava a mão. Assim foi introduzido o conceito de travesseiros de “espuma com memória”, que se mostraram absolutamente fantástico para dorminhocos inquietos. As qualidades especiais que são inerentes aos materiais de “espuma com memória” abriu caminho para o desenvolvimento de um travesseiro capaz de acomodar os contornos do pescoço e da cabeça de uma pessoa deitada sobre.

Cada movimento da pessoa dormindo proporciona um ajuste para responder com perfeição – oferecendo o máximo apoio e suavidade, como só pode ser encontrado no chamado travesseiro da NASA.