Grandes igrejas, grandes negócios

Não sei onde isso vai parar, fiquei pensando se eu que sou evangélico, que tenho uma formação teológica e de certa forma consigo fazer uma distinção apropriada de crentes e crentes, igrejas e igrejas e mesmo assim não consigo deixar de me escandalizar com certas notícias, como ficaria a cabeça de um não crente com notícias como esta que transcrevo abaixo? Diante disso lembrei-me de um texto de Ezequiel 28:16-18:

Pela abundância do teu comércio o teu coração se encheu de violência, e pecaste; pelo que te lancei, profanado, fora do monte de Deus, e o querubim da guarda te expulsou do meio das pedras afogueadas. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei; diante dos reis te pus, para que te contemplem. Pela multidão das tuas iniqüidades, na injustiça do teu comércio, profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu a ti, e te tornei em cinza sobre a terra, à vista de todos os que te contemplavam.

Não estamos isentos de cair no mesmo erro citado no texto acima, li ontem um artigo de Elben Cezar “Babelismo, uma doença incurável”, mostrando que este espírito não acabou e que continua em nossos dias a busca pela grandeza, suntuosidade, fama e ele nos traz um importante alerta: “Os crentes precisam tomar cuidado com as megaigrejas. Elas podem ser portas abertas para o babelismo em sua versão religiosa”.

As igrejas têm feito do meio (dinheiro) o fim, e do fim (pregação do evangelho) instrumento para se chegar ao meio.

A Deus toda glória

Fonte: Gospel+

SÃO PAULO – Funcionários da Igreja Universal do Reino de Deus foram cercados por 20 homens armados na Rua Poética Musical, na Cidade Ademar, zona sul de São Paulo, no último domingo. De acordo com as vítimas, os assaltantes estavam em quatro carros, armados com fuzis e metralhadoras, e usavam máscaras e capuzes para não serem identificados. O bando levou R$ 52 mil arrecadados de fiéis pela igreja. Uma das vítimas (funcionário), que é policial militar, teve um celular e uma arma calibre 38 levados pelos assaltantes. O caso foi registrado no 43º Distrito Policial.

O que me impressiona não é o assalto, nem a ação dos assaltantes, pois estão apenas cumprindo seu papel de meliante. O que me choca é a inversão de posições por parte de “funcionários” da igreja, chamados para anunciar, transportam valores para baixo e para cima e que valores, diga-se de passagem, além de uma escolta armada.