Qual o melhor método de aprendizado?

Edson Cardoso dos Santos Filho

RESUMO: O Artigo intitulado “Qual o melhor método de aprendizado?.” destina-se aos profissionais de educação que atuem no ensino fundamental, médio e superior. Não delimitamos uma área específica, tendo em vista que tanto a pedagogia como a andragogia necessitam de subsídios, levando em conta, sobretudo, a heterogeneidade de nossas salas de aula e principalmente, nos dias de hoje, os objetivos tão diversificados que vemos por parte dos professores e dos alunos.

PALAVRAS-CHAVE: Métodos. Estratégias. Tecnologias. Construtivismo.

INTRODUÇÃO

Diante da baixa proficiência de nossas escolas, em suprirem as dificuldades de nossos alunos mais carentes, no processo de aprendizado da leitura e escrita, percebemos que ao longo das décadas uma acirrada guerra de métodos pedagógicos na alfabetização vêm disputando o fértil campo econômico das mídias. É sobre esse tema que buscaremos um denominador comum. Será que há de fato um método mais apropriado que o outro?
Os métodos por si só não se confrontam, sequer existiriam, claro que são sistematizações provenientes de observações, que numa determinada época atende as necessidades políticas e econômicas vigentes.

O país fez uma opção – pela massificação do ensino, num entendimento muito particular de democratização: em vez de se criarem as condições para que, vá lá, as massas tivessem acesso ao conhecimento superior, rebaixaram-se as exigências para atingir índices robustos de escolarização (AZEVEDO, 2008, p.98)

De fato é o que acontece com o sistema educacional de nossos dias. Oferecemos vagas nas instituições públicas de ensino, mas não oferecemos condições para que a educação de fato se realize. Acontece que de uma certa forma os nossos discentes e docentes se encontram embevecidos de uma ideia ainda pior: “Fingimos que ensinamos e eles fingem que aprendem”.

Desenvolvimento

Os métodos por si só não se confrontam, sequer existiriam; claro que são criações e sistematizações provenientes de observações humanas que, numa determinada época, tenta solucionar um problema típico em um determinado campo da ciência.
O exercício observatório de Emília Ferreiro, não é diferente do de Piaget, Paulo Freire ou de qualquer outro filósofo em seus questionamentos. A polêmica dos métodos é bastante salutar, pois provoca tensões que corolariamente levarão ao aprimoramento de supostas soluções definitivas, o que conseqüentemente nos leva a relativização dos sistemas.
Na atualidade, vemos duas perspectivas metodológicas em guerra: os métodos fônicos e os construtivistas. O primeiro, também chamado, sintético ou fonético, parte dos grafemas para os fonemas, depois as sílabas, palavras e frases. Esse método subdivide-se em modelos alfabético ou soletração, típicos métodos das cartilhas do ABC, em que se enfatizava o processo de repetição das letras e de seus sons.
O método construtivista (analítico ou global) segue o caminho oposto, parte do todo para o mínimo. Exercita-se o mecanismo de dedução do alfabetizando, buscando a praxi e a consciência lingüística, que na atualidade tem a hegemonia no estudo da língua e linguagem (O método construtivista procura entender o processo cognitivo, ou seja, como a criança em fase de alfabetização, independente das variações sociais entende o fônico para o grafêmico, em cada fase dessa etapa educativa).
Independente de métodos, há o consenso que a aquisição do código alfabético e numérico leva a alfabetização e ao seu remate, o letramento. No fundo, esses métodos buscam a mesma coisa: desenvolver práticas que denotem capacidades de identificação e compreensão dos diversos materiais escritos.
É necessário perceber, porém, que o método sozinho não fará milagres, precisa-se de estratégia (planejamento). O que? A quem? Quando? Como? Por que? e Para que? No caso da língua portuguesa, assim como a sua co-irmã, a espanhola, ou seja, as línguas neolatinas, levando, sobretudo, em consideração o caráter biunívoco entre letra e som, o método fônico favorece ao princípio alfabético, tanto da vertente grafema-fonema, quando se parte do texto escrito; como do fonema-grafema, quando o foco é o alfabetizando. Percebe-se, portanto, que nesta fase da educação, o educador necessita em seu arcabouço de conhecimentos, habilidades lingüísticas e de alfabetização que o possibilite vislumbrar o melhor método para a melhor situação planejada.
Os estudos apontam que o método fônico pode ser adequadamente introduzido a partir dos três anos de idade. Neste método, as crianças começam desde cedo, a distinguir os sons das letras (Processo cognitivo). Percebem por exemplo que em “faca” e “vaca” os fonemas são distintos em dois grafemas. Possibilita desta forma, nas camadas menos favorecidas, em que o índice de analfabetismo é maior, a intervenção do educador no sentido de conscientizar que letra e som, não são a mesma coisa. Trabalhando de forma estratégica e metódica o desenvolvimento mental da criança para a aquisição da escrita.
O método global não é tão eficiente neste contexto, pois não leva em conta a faixa etária e seu respectivo processo de aprendizado e amadurecimento cognitivo. A sobrecarga que esta técnica imprime, construção do léxico, requer uma excessiva memorização e interrelações sociais não condizentes a esta fase da vida. O que corrobora a ideia inicial da necessidade da concomitância entre método e estratégia.
Depreende-se que a escolha do método diz respeito ao publico alvo. Nota-se que a educação brasileira, embalada nos achados da psicogênese, adotou o método construtivista para o sistema educacional, principalmente, o público. Não levando em conta, portanto, a questão das diferenças sócio-interativas.
A lectoescrita, que consiste em assegurar o aprendizado escolar através da leitura, escrita e cálculo é o desafio do século XXI. Mas a questão é que a lectoescrita nada mais é que um nome novo para um desafio antigo. Na verdade, “o homem esta sempre rompendo com aquilo que considera ultrapassado e propondo algo “novo”. Esse novo, porém, muitas vezes não passa de algo ainda mais velho, só que revestido de uma linguagem diferente” (William Cereja _ Parnasianismo) Vivemos em uma época de eufemismos, em que os valores são substituídos pela praticidade e avanços tecnológicos. A guerra dos métodos não passa de um confronto de interesses, motivo este que sempre foi relevante na economia, na política e na vida social, ou seja, estamos sempre fazendo, o que pedem que façamos para atender o interesse internacional e das classes dominantes. A educação da língua portuguesa satisfaz, hoje, a velocidade dos tempos pós-modernos e não o saber.

Conclusão

Percebemos que, de forma sucinta, o educador de Língua Portuguesa necessita de qualificação e capacitação para, na atualidade, atuar sintonizado com as novas descobertas no processo de aprendizagem. Em outras palavras, devido à relação mais global em que o mundo se encontra inserido, e nele a educação como um todo, busca-se atingir um número em escala geométrica de alfabetizados, a qualquer custo; e para tanto urge uma formatação nos conhecimentos do orientador, que o possibilite trabalhar o aprendizado de forma científica, ou seja, analisando os fatos como realmente são e não como o idealizam (ideologia).
No âmbito da educação, caminho indiscutivelmente propulsor de mudanças sociais, a lingüística vem, juntamente, com todas as sua ramificações, tornar mais acessível, o que até bem pouco tempo, só poucos detinham, o saber. Porém, em relação ao melhor método a ser utilizado, devemos deixar claro, sobretudo, dentro da perspectiva dos alunos de especializações de Metodologia de Ensino da Língua Portuguesa, ou correlatas, que se trata de métodos e estratégias para um público específico, crianças em fase de alfabetização, pré-escola e fundamental, o que a nosso ver destina-se mais aos profissionais pedagógicos, que não detém em seu currículo o conhecimento de Língua Portuguesa dos graduados em Letras. Pressupõe-se, e acabamos voltando para a questão ideológica, que para os profissionais que atuam na andragogia, os clientes já estejam plenamente alfabetizados e letrados, o que sabemos não ser real em nossas escolas públicas, por isso a necessidade desses conhecimentos, também, para os educadores adolescentes e adultos.
O tema explanado enfatiza, a meu ver, um ponto muito curioso que na condição de aluno é imperceptível, uma suposta guerra de métodos. Como podem métodos confrontar-se? Tenho certeza que o confronto é outro. Vivemos em um mundo tecnológico, onde a cada dia temos uma novidade eletrônica; em que o mistério deixou de ser mistério, valores sucumbiram e as ciências humanas perdem destaque, relevância, na praticidade da vida pós-moderna, para as ciências tecnológicas condizentes a práxis, mas, porém, desumanizadoras. A questão do método ou de um estratégia apropriada aos nossos tempos é uma falácia ideológica. A luta é pela manutenção de estar em relevo, ou pior, não sair de cena.
Vemos na guerra dos métodos o medo de acontecer o que ocorreu com a disciplina de Educação Moral e Cívica. Ensinar Língua Portuguesa, hoje em dia, qualquer professor que saiba ler o faz. Adota-se um método, um texto e um data show, pronto: temos aula de Português, Produção textual, contextualização, nomes diferentes para a mesma interpretação de textos, redação e aulas expositivas no quadro. O que de fato mudou foi a importância que o profissional de educação dava a sua disciplina, o apego, a dedicação e a vontade de transmitir aos seus pupilos, embora as condições de trabalho nunca foram aos melhores, mas o aluno via na seriedade e conduta do mestre a necessidade imperativa de naquele instante conduzir-se nos moldes daquele profissional. Resultado disso tudo, basta acompanhar os noticiários televisivos ou da imprensa escrita, muitos métodos, pouca seriedade.

REFERÊNCIA BIBLIOGRAFICA
ALVES, Nilda, (2000). Os romances das aulas. Movimento, Revista da Faculdade de Educação da UFF, Rio de Janeiro: DP&A; Niterói: UFF, n.º2, set.,p.7-73.

AZEVEDO, Reinaldo. Restaurar é preciso: reformar não é preciso. 2025 ed. tiragem 413350, p. 48-56, Abril, jan. 2008.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: A Sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

CÂMARA JÚNIOR, Joaquim Matos. Manual de Expressão Oral e Escrita: 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

CEREJA, Willian Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Português: Linguagens – Volume Único. São Paulo: Atual, 2003.

FALSTICH, Enilde L. de J. Como ler, entender e redigir um texto.6.ed. Petrópolis: Vozes,1994.

FÁVERO, Leonor Lopes; KOCH, Ingedore G. Villaça. Lingüística Textual: Introdução. 2 ed. São Paulo : Cortez, 2005.

JÚNIOR, Carlos Oliveira; NAPOLEÃO, Hugo Tosetti. Casa das apostilas: Governo do Estado da Paraíba: Língua Portuguesa e Didática. São Paulo, 2008.

LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MELLO, Linalda de Arruda. Sociedade, Cultura e Língua. João Pessoa: Sorim, 1990.

MOLLICA, Maria Cecília; BRAGA, Maria Luiza. Introdução à Sociolingüística – o tratamento da variação. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

OLIVEIRA, João Batista Araújo e; CHADWICK, Clifton. Aprender e Ensinar. 2. ed. São Paulo: Global, 2001.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Interpretação – Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 2. ed. Petrópolis: vozes, 1996.

PERINI, Mário A. Princípios de linguística descritiva INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO GRAMATICAL. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

SCHOPENHAUER, Artur. A arte de escrever. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2008.

SILVA, Ana Lúcia Rodrigues. .Monografia Fácil: ferramentas e exercícios.São Paulo: DVS Editora, 2004.